Você sabia que o consumo de álcool pode trazer consequências para sua saúde bucal?

Doutor Fábio Sato conta como bebidas alcoólicas em excesso prejudica a boca e os dentes

Mesmo com a pandemia, as pessoas sempre dão um jeitinho de achar um motivo só para poder abusar das bebidas mais fortes, de acordo com dados do Ministério da Saúde, no ano de 2019, houve um aumento de 14,7% em adultos que consomem exageradamente esse produto. Esse crescimento pode ser ainda mais significante durante esse momento que estamos enfrentando, aponta pesquisadores de entidades como a Organização Mundial da Saúde e Organização Pan-Americana de Saúde. 

Isso se deve principalmente pelo fato de estarem mais ansiosas, preocupadas e aflitas por diversos motivos, como a crise financeira. No entanto, elas não percebem que essa válvula de escape, na verdade, pode trazer ainda mais consequências negativas, como prejudicar a saúde bucal. 

“No geral é de costume do brasileiro sair para tomar uma cerveja no happy hour ou comemorar com amigos no final de semana. Com a chegada da pandemia e o isolamento social isso não foi mais possível. Muitos se sentem incomodados com a situação e acabam por consumir bebidas alcoólicas em casa mesmo, virando uma rotina e um hábito muito ruim”, comenta o dentista Dr. Fábio Sato. 

Quando se tem esse consumo abusivo, os componentes não afetam diretamente a boca, mas seus efeitos colaterais começam na produção salivar, responsável pelo equilíbrio do pH e controle de bactérias, pois o álcool deixa a boca seca, assim os dentes ficam expostos à cárie, mau hálito e diminuição do cálcio dentário. 

“Esse tipo de bebida é, em modo geral, excessivamente ácida, quando colocamos algo com esse teor de acidez na boca, todo o esmalte e a estrutura dos dentes ficam fracas e a sua camada protetora começa a se dissolver”, explica o dentista. 

Além disso, o consumo de álcool pode aumentar em até 30% o risco de câncer na boca, principalmente se em conjunto com o tabagismo, pois seus componentes têm contato direto com outras áreas, como bochechas e gengiva. Segundo o instituto Cancer Research UK, 80% dos pacientes diagnosticados com esse tipo de tumor são consumidores frequentes de bebidas alcoólicas. 

“Apesar disso, algumas dicas podem evitar que esses problemas aconteçam e fazer com que todos consigam degustar esses sabores um pouco mais fortes sem preocupações, como, por exemplo, inserir gelos na bebida, intercalar drinques com copos de água, mascar chicletes sem açúcar para aumentar a produção de saliva e sempre se manter hidratado após terminar o consumo”, finaliza o Dr. Fábio Sato. 

Sobre o Dr. Fábio Sato

Formado pela Odontologia na USP, é mestre e doutor em Cirurgia Bucomaxilofacial. Sua atuação é principalmente no tratamento da Disfunção Temporomandibular através de procedimentos minimamente invasivos, Cirurgia Ortognática para Correção das Deformidades Dentofaciais, além de outros procedimentos como Enxertos Ósseos, Implantes Dentários e demais relacionados à área.