Motivos para abandonar de vez a ‘maquiagem de contorno’

A popular técnica não é sobre valorizar os traços das garotas, é sobre esconde-los.

O uso da maquiagem pode ser empoderador e, algumas vezes, também pode ir longe demais. E a famosa arte do contorno, caracterizada pelo jogo de luz e sombra para afinar os traços do rosto, se encaixa muito mais na segunda opção.

Leia Mais: Alicia Keys voltou a usar maquiagem e o motivo é incrível

Criada na metade de 1500, a técnica era usada no teatro elisabetano com a finalidade de permitir ao público uma visão mais clara das expressões dos atores. Muito tempo depois, nas décadas de 1920 e 1950, grandes atrizes como Marlene Dietrich, Audrey Hepburn e Marilyn Monroe ressuscitaram o truque – mas ele se restringia aos sets de gravação cinematográfica.

Antes confinado aos palcos, tapetes vermelhos e, bem, ao mundo das drag queens, o contorno ganhou uma popularidade absurda após Kim Kardashian revelar ser fã do procedimento. Na era da selfie, foi o bastante para que invadisse o Instagram, o dia a dia das mulheres mundo afora e, pior, até mesmo a rotina de beleza das adolescentes.

Mas, em um mundo (ainda bem!) cada vez mais preocupado em celebrar a individualidade de cada um, por que investir em uma técnica criada para, de certa forma, apagar os traços naturais? Basicamente fazer de você algo que você não é.

View this post on Instagram

Wanna see how @scottbarnes68 contours?!

A post shared by Kim Kardashian West (@kimkardashian) on

Em primeiro lugar, o contorno sufoca a sua pele

Exagero é a melhor palavra para definir o contorno, afinal ele foi criado para o teatro e, bem, basicamente vai mudar os traços do seu rosto. Por isso, muito corretivo, base, pó, blush e iluminador estão no pacote. O resultado a longo prazo caso você escolha produtos duvidosos ou não retire eles de forma eficiente? Envelhecimento precoce, poros obstruídos, acúmulo de resíduos que podem favorecer a oleosidade e o surgimento de cravos.

E, ei: não tem nada errado com o seu rosto

Maquiagem, antes de tudo, é sobre diversão, criatividade e, sim, muitas vezes empoderamento e valorização da beleza de cada indivíduo. Em vez disso, o contorno diz para as garotas que existe algo errado no rosto delas. Não é sobre valorizar os traços delas, é sobre esconde-los.

Lógico, não tem nada de errado em usar um truque aqui e outro ali em áreas que, talvez, você não curta tanto, mas é problemático quando promove um único padrão de beleza pautado em narizes, bochechas e queixo finos. Por quê? Pois escraviza, cria distúrbios de imagem e tira a beleza da pele – já que ela fica coberta por base, corretivos e etc.

Você poderia aproveitar seu tempo de outra forma!

Obviamente o tempo é seu e você gasta ele da forma que achar necessário. Mas, vem cá: suponhamos que você demore 15 minutos diários para fazer o contorno do jeitinho aprendido naquele tutorial do Youtube. Ao final de um ano, esse curto período somaria quase QUATRO DIAS.

Sim, de certa forma, serão quatro dias inteiros dedicados a mudar o formato do seu rosto. Quatro dias que poderiam ser uma viagem de férias. Ou uma maratona de diversas séries. Ou quatro dias ganhos ao lado de seus amigos. Pense nisso.

O contorno pertence aos palcos

O uso do contorno é um reflexo da obsessão mundial por cirurgias plásticas e, hum, ~perfeição~. Por isso, todo o sucesso da técnica. Mas ela foi criada para o palco, para atores – pessoas que interpretam OUTRAS PESSOAS e com zero compromisso com a realidade.

E, claro, a popularização do contorno, principalmente, no Instagram diz muito quem somos. É como se mostrasse que é aceitável falsificar nossas vidas e personalidade por likes. O contorno diz que é legal ser alguém completamente diferente pela aprovação da sociedade.

E, não, mais uma vez: não é errado fazer uso da técnica, longe disso, mas é importante se perguntar o porquê de você estar fazendo isso, afinal, make é diversão e não escravidão.

 

 

☆ Descubra o significado de VÊNUS no seu Mapa Astral ☆