Novo laser é arma contra manchas escuras

Conheça o tratamento que promete deixar a pele uniforme, livre do melasma

Novidade no mercado atua progressivamente
Foto: Getty Images


Eliminar o melasma – mancha marrom e extensa, ligada a alterações hormonais – é um dos maiores desafios dos dermatologistas. Além de ser resistente, muitas vezes ele se comporta de forma imprevisível quando combatido com energia luminosa – pode, em vez de desbotar, ficar mais intenso. Mas o momento é de expectativa nos consultórios.

Os especialistas estão animados com a chegada do Spectra Laser Toning, laser que elimina manchas marrons variadas e o melasma em especial. O aparelho emite pulsos de luz ultrarrápidos e sua energia é absorvida pelos melanócitos, células que produzem o pigmento escuro, a melanina.

Isso faz com que a produção e a distribuição desse pigmento fiquem mais controladas. “O processo vai ocorrendo progressivamente, conforme as sessões, dez ao todo, se sucedem”, diz a dermatologista Thais Pepe, de São Paulo. “Pelo que foi observado até agora, a melhora pode chegar a 100%.”

O Spectra não causa dor e pode ser utilizado em qualquer época do ano, inclusive no verão. Isso acontece porque emite o laser de uma forma diferente. A energia é mais baixa, porém uniforme, o que evita a formação de novas manchas escuras, e não provoca inchaço nem irritação. “No entanto, o ideal é que a pessoa não tenha se bronzeado recentemente, pois isso reduz a eficiência do laser, que não consegue focar só o melasma”, diz a dermatologista Christiana Blattner, de Campinas, São Paulo.  “O indicado é agendá-lo nos períodos em que a pele apresenta sua cor natural.”

Durante a aplicação, a paciente sente um leve formigamento. A pele fica ligeiramente avermelhada, mas esse efeito colateral desaparece rápido. Ao longo do período de tratamento, os médicos recomendam apenas que o uso de cosméticos antiage seja suspenso. “O ideal é passar filtro solar e no máximo um hidratante”, explica Christiane Blattner. “Ativos clareadores atenuam a quantidade de pigmentos na pele e, com isso, a resposta ao laser diminui.”

Enquanto uniformiza o tom, o aparelho oferece outros benefícios. Sua energia estimula a produção de colágeno, o que traz firmeza e suaviza linhas finas. “Esse efeito surge gradativamente”, explica Thais Pepe. “Ao final das sessões, a textura melhora em até 30%.”

O dermatologista Nuno Osório, de São Paulo, explica que o Spectra pode ser utilizado também no clareamento de tatuagens. “Nesse caso, o médico trabalha com o laser em uma frequência mais intensa”, diz o especialista. “Não dói, mas podem surgir crostas superficiais, que caem em poucos dias.” O principal diferencial do equipamento é o fato de ele não deixar cicatrizes no lugar da tatoo.

Os efeitos antimanchas começam a aparecer a partir da quarta aplicação (cada uma custa, em média, R$ 500*). Mas, apesar de as marcas serem eliminadas com tanta eficiência, isso não significa que elas nunca mais irão voltar. “O aparelho é muito novo e será necessária uma observação a longo prazo para chegar a conclusões definitivas”, diz Nuno Osório.

Além disso, o sol tem um papel importante no final da história. “Não adianta cuidar do rosto e depois não se proteger contra os raios solares. Passar filtro com FPS alto e evitar se expor nos horários de pico é essencial”, completa o dermatologista.

*Preço médio fornecidos pelos fabricantes em março de 2012.