Quer unhas mais longas e saudáveis? Juntamos as melhores dicas + produtos

Conversamos com profissionais da área para contar tudo o que você precisa fazer para a sua unha crescer forte e de maneira natural.

Da deficiência de vitaminas no organismo a doenças genéticas, passando pelo uso constante de produtos químicos, são inúmeros os fatores que podem contribuir para que as unhas fiquem enfraquecidas e quebradiças, impedindo, assim, seu crescimento.

Mais comum do que a gente imagina, o problema das unhas fracas, como constata a dermatologista Claudia Marçal, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), atinge cerca de 20% da população adulta do Brasil, e leva o nome de Síndrome das Unhas Frágeis, ou SUF, que ainda não teve sua origem totalmente descoberta.

“Acredita-se que a doença tenha origem vascular, física ou traumática, comprometendo a hidratação ou o teor de lipídeos das unhas. Os fatores que podem desencadear a síndrome são diversos, como alterações na composição da unha, exposição a agentes químicos, como solventes e ácidos, cosméticos que contêm formaldeído na fórmula, fungos, traumas repetitivos, alterações hormonais e má alimentação”, enumera a médica.

Fabiana Seidl, dermatologista que também integra a SBD, a Síndrome costuma ser mais comum em mulheres e pessoas idosas, e pode se manifestar, ainda, por conta de doenças como o hipotireoidismo, anemia, infecções crônicas, fungos, vírus e bactérias, dietas restritivas e no pós-operatório de cirurgias bariátricas.

A gravidez, a menopausa, o uso de alguns medicamentos e deficiências de zinco e vitamina A no organismo, bem como o uso frequente de unhas artificiais coladas sobre as naturais, também acabam prejudicando a saúde das unhas, conforme aponta a dermatologista Mariana Chambarelli, da clínica Dra Denise Chambarelli (RJ).

Como eu descubro se as minhas unhas estão fracas?

Antes de mais nada, lembre-se de que nenhum diagnóstico a olho nu substitui uma consulta profissional – e, dependendo do grau de fraqueza das unhas, pode ser necessário realizar uma biópsia ou outros exames laboratoriais.

De qualquer forma, segundo as médicas, as unhas, quando passam a ficar enfraquecidas, apresentam alguns sinais bem visíveis, como fissuras, descamações em suas bordas, alterações na espessura (facilitando a quebra) e presença de estrias que evoluem para caneletas (o que pode até fazer a unha abrir no meio).

Quer saber como fazer a unha crescer? A seguir, reunimos um guia completo com seis dicas espertas das dermatologistas Claudia, Fabiana e Mariana, e também de Vanessa Leandro, manicure que atende no salão TP Beauty Lounge (RJ).

1. Preste atenção no formato das unhas

Para Vanessa, as unhas mais longas estão, sim, em alta e são uma tendência que vem da europa. Entre os formatos favoritos das europeias estão as unhas no estilo ‘stiletto’, bem compridas e pontiagudas, mas, segundo a profissional, brasileiras acabam por preferir unhas em formatos mais tradicionais (quadradas ou arredondadas), que não ficam tão datadas – os centímetros a mais, por sua vez, seguem como unanimidade.

Para manter o formato intacto, procure cortar as unhas com tesourinha própria ou apará-las com lixas (de uso pessoal e sempre higienizadas) quando julgar necessário. Tome cuidado, porém, ao lixar as unhas, já que o hábito de lixar a parte superior delas pode ser prejudicial, pois retira camadas de queratina e as deixa mais finas – logo, mais frágeis.

Segundo as dermatologistas, os formatos ideais para que as unhas tenham um crescimento mais linear são arredondadas nas mãos e quadradinhas nos pés.

2. Roer as unhas e remover as cutículas está proibido

Eis aqui dois dos hábitos mais prejudiciais para o fortalecimento e crescimento das unhas. Enquanto roer as unhas pode causar machucados que, consequentemente, servem de porta de entrada para vírus e fungos, retirar as cutículas excessivamente também as deixa desprotegidas, expondo toda a área mais profunda que liga a placa de queratina à pele, e fazendo com que elas fiquem mais suscetíveis a doenças inflamatórias e infecciosas.

3. Opte por removedores de esmaltes sem acetona – e, caso não faça as unhas em casa, seja fiel à sua manicure

A acetona, se usada em excesso, faz com que as unhas ressequem mais, o que as torna mais propensas à quebra. Por isso, o melhor a fazer, na hora de remover o esmalte, é usar removedores menos agressivos, que não possuam acetona em sua composição.

“Busque uma profissional de confiança. As pessoas trocam muito de manicure, e isso impacta nas unhas, pois cada manicure tem uma forma diferente de lixar, remover cutículas e pintar”, diz Vanessa, que recomenda que o esmalte seja removido cerca de dois dias antes de pintar as unhas novamente, para evitar o ressecamento. Na hora da remoção, é importante, também, hidratar as cutículas com produtos específicos.

4. Evite o contato com produtos químicos

O contato direto das mãos com produtos químicos diversos, como já explicamos, enfraquece unhas e cutículas, e deve ser evitado o máximo possível. Caso você faça uso constante de materiais de limpeza, por exemplo, o ideal é usar luvas para proteger as mãos dos danos e evitar a agressão direta nas unhas. Sim, isso também vale se você mexe muito com água e para quando for lavar a louça.

5. Cuide da sua alimentação

Às vezes precisamos dizer o óbvio: se cada alimento que você ingere impacta na saúde do seu organismo, com as unhas não seria diferente. Portanto, para garantir unhas fortes e mais longas, o ideal é que a pessoa opte por alimentos de alto valor nutricional, que contenham vitaminas, proteínas vegetais e animais e minerais.

Na prática, invista em carnes, frutas variadas, verduras e legumes, que auxiliam no fortalecimento das placas de queratina que compõem as unhas. Além disso, vale priorizar, também, fontes naturais de biotina, a vitamina B7, que atua na formação das unhas e cabelos – amendoim, nozes, amêndoas, tomate, ovos, cenoura, couve-flor e fígado são boas opções nesse sentido.

6. Use bons produtos

Sempre procure por produtos específicos para unhas e cutículas, ou seja, por cosméticos que ajudem na nutrição da pele, ao mesmo tempo em que potencializam o crescimento das unhas e impedem que elas quebrem.

Enquanto ceras e cremes hidratantes protegem os dedos contra lesões externas, as bases fortalecedoras e de crescimento, que devem ser aplicadas antes do esmalte, reparam danos existentes e contribuem para que as unhas fiquem mais fortes. Para garantir centímetros a mais nas garras, busque por bases que tenham ativos como pantotenato de cálcio, queratina, Nonychosine V, Methiosilane CN, vitamina E e Vitamina B5 em suas fórmulas (olho no vidrinho!).

Muito cuidado, porém, com esmaltes e bases compostos por formaldeídos, já que o produto químico pode piorar a Síndrome das Unhas Frágeis ou desencadear uma dermatite de contato.

Selecionamos alguns aliados preciosos para ajudá-la a conquistar unhas longas e resistentes:

E se nada der certo…

Claudia explica que as unhas costumam ter uma característica de crescimento individual, mas que, em média, elas crescem em torno de 0,3, 0,5 e até 1 milímetro, a cada trinta dias – tudo depende de como essas unhas são cuidadas e manipuladas.

Mas, se mesmo após você seguir a lista acima notar que suas unhas continuam fraquinhas e quebradiças, é hora de recorrer à ajuda dermatológica. O médico poderá receitar desde uma suplementação via oral de vitamina B7 (Biotina),  até o uso de nutricosméticos específicos.

“A  formulação via oral com Exsynutriment e Bio-Arct costuma ter resultados em um mês. O Exsynutriment aumenta a produção do colágeno de boa qualidade, agindo como reestruturador e fortificador de unhas. Já o Bio-Arct melhora o fornecimento de nutrientes”, finaliza a médica.