A diretora de ‘A Dona do Pedaço’ acertou: a novela é um “melodrama pop”

Com qualidade de cinema, entenda como Amora Mautner deixou ainda mais atrativo o dramalhão de Walcyr Carrasco.

A Dona do Pedaço‘ é o primeiro trabalho da parceria formada entre o autor Walcyr Carrasco e a diretora Amora Mautner. Ele tem em seu currículo uma série de fenômenos de audiência, e ela já foi desde novelas aclamadas (‘Avenida Brasil‘) a outras não-tão-exitosas-assim (‘A Regra do Jogo‘). Após alguns meses de novela, podemos dizer que o casamento entre os dois deu muito certo: enquanto Walcyr pesa a mão no drama e no exagero, Amora fica responsável por dar uma aparência “pop” à produção.

A direção das cenas de ‘A Dona do Pedaço’ chamou muita atenção na primeira fase, em que a novela foi basicamente um faroeste moderno, mas não tem deixado a desejar agora que a trama é ambientada em São Paulo. As câmeras sempre estão posicionadas em locais menos óbvios, atrás de vidraças ou posicionada em alguma estante, mas nunca de forma a chamar mais atenção do que a cena. Os personagens continuam sendo o destaque, assim como os diálogos representados de forma fidedigna ao que Walcyr escreveu (até porque se algum ator mudar o texto pode correr o risco de ver seu personagem ser castigado).

Em cenas especiais podemos ver bem o dedo de Amora Mautner. Quando Josiane (Agatha Moreira) foi encontrar o michê que a chantageava em um prédio, o jogo de cores e repetição/simetria do edifício revelou uma cena de qualidade quase cinematográfica. Claro, quando o cidadão caiu da sacada foi um efeito de computação bem infeliz, mas no geral a cena foi muito boa.

E o que dizer da luta entre Rock (Caio Castro) e Paixão (Duda Nagle)? Parecia cena de filme de boxe! Mesmo a cenografia traz um ar de sofisticação pouco visto em novelas, como a mansão de Maria da Paz (Juliana Paes) que dá um assombro por ser branca demais, vazia demais, parece quase uma casa de internação.

A Dona do Pedaço, Maria da Paz é presa

 (Globo/ Arthur Meninea/Divulgação)

No lançamento da novela, Amora Mautner disse que Walcyr Carrasco era autor de um “melodrama pop“. Ou seja, é uma trama bem folhetinesca, bem classicona, quase uma novela mexicana… mas que tem um traço de sofisticação capaz de atrair um público acostumado a uma estética de cinema ou de série. O resultado é simples: Amora atrai as pessoas com o visual e todo mundo é encantado pelo texto de Walcyr como se fosse um canto da sereia. Isso explica como ‘A Dona do Pedaço’ tem batido recorde atrás de recorde.

Caso tenha curiosidade de saber mais das referências de Amora Mautner, ou mesmo como ela classifica essa novela, temos um vídeo em que conversamos com a diretora. É bem interessante: