Método Pomodoro: a técnica que potencializa sua concentração

Um "tomatinho" pode mudar a forma como você trabalha e estuda!

Apesar de o nome ser mais conhecido pelos deliciosos molhos de tomate – afinal, pomodoro em italiano significa “tomate” -, a técnica nada tem a ver com a receita. Foi assim que o criador dela, o italiano Francesco Cirillo, resolveu chamá-la, após usar um timer de cozinha no formato do fruto para gerenciar seu tempo.

A base desse método é, basicamente, dividir o trabalho em blocos, dedicando um período específico para cada atividade, seguido de uma pausa rápida. Dessa forma, você consegue se manter totalmente focada durante o prazo proposto e executar ainda melhor suas funções.

Após muitas pesquisas, Francesco concluiu que 25 minutos são o ideal para cada bloco, também chamados de “pomodoros“. E, passado esse ciclo, você deve fazer uma pausa de cinco minutos. Ao final de quatro pomodoros, dê um descanso maior para o seu cérebro: 30 minutos.

Leia também: Diminuir 2 horas de trabalho por dia vai aumentar sua produtividade e te deixar mais feliz

A grande proposta da metodologia é, não só otimizar o tempo, mas também organizar melhor o dia a dia. Para não se frustrar, a dica é separar as tarefas em pomodoros que são viáveis de ocorrerem nesses 25 minutos – nem um a mais, nem um a menos. Essa noção vem da tentativa e erro: é mais fácil criar sua divisão e estudar quanto tempo você leva para finalizar cada uma das tarefas – ou melhor, quantos pomodoros. Ah, nem precisa dizer que você precisa desligar o WhatsApp, Facebook, Instagram e tudo mais que causa distrações.

Uma das maiores dificuldades é que você tem de realizar as atividades sem absolutamente nenhuma interrupção – só parar se for uma emergência. O chefe chamando (ou sua mãe, enquanto estuda) ou um telefonema importantíssimo, por exemplo, não podem ser ignorados. Aí você para o cronômetro – que não precisa ser um tomatinho, claro – e recomeça quando puder terminar sem ser interrompida.

Veja mais: 8 práticas que matam a produtividade

Aliás, falando em pausa, esses cinco minutos podem, muito bem, se adaptarem à sua necessidade. Se a atividade foi mentalmente mais exaustiva, vale dar uma esticadinha para não começar a próxima tão cansada. Só não deixe para amanhã!

O ideal mesmo é você ir testando o método, ajustando conforme sua necessidade de tempo e pausas específicas. É ruim estar toda empolgada com algo, produzindo ~loucamente~ e “ter que” parar, porque acabou o tempo. Então, para evitar esse tipo de situação, adapte os 25 minutos ao tipo de atividade que você se propõe a fazer. Escrever uma redação, por exemplo, requer, no mínimo, uma hora – a inspiração nem sempre aparece, assim, logo de cara!

O método Pomodoro é uma forma simples, barata e rápida de treinar sua concentração, bem como conhecer seus limites. A proposta inicial não é tão longa assim, o que facilita bastante a adesão da técnica. Afinal, 25 minutos longe do celular não matam ninguém, não é?