10 finais de filme que gostaríamos que fossem bem diferentes

Atenção: contém spoilers!

 

1. Titanic (1997)

. .

. (/)

O que aconteceu? Jack (Leonardo Dicaprio) morre.

O que não deu para engolir: Sério, não tinha nenhum jeito MESMO de salvar o Jack? O cara tinha conseguido se safar de afundar junto do navio quando estava algemado, sobreviveu quando o “barco” virou e foi morrer só por não ter conseguido subir em algo para protegê-lo da água gelada?! Difícil de acreditar… Mas isso nem é o pior! Triste mesmo é que depois de 43467 horas de filme, o espectador ainda é obrigado a aguentar aquele “documentário” e, principalmente, é obrigado a assistir a Rose da vida real jogando aquela joia gigantesca no mar. 

O que poderia ter acontecido: Corta a parte do documentário, corta a Rose da vida real e matem o Jack de uma forma mais crível. Ou deixem ele vivo para ser o dono do mundo e viver sua louca e proibida paixão. Mas Hollywood gosta de complicar…

2. A Vila (2004)

O que aconteceu? Monstros? Vila do século XIX? MEN-TI-RA. Por causa de Ivy (Bryce Dallas Howard) descobrimos que tudo não passava de um grande teatro armado por algumas pessoas para fugirem da violência da cidade.

O que não deu para engolir: Bastante criticado quando lançado, o problema de “A Vila” mesmo é que ele cria toda uma tensão que, na verdade, não existe e o final, que deveria ser aquele grande evento, acaba parecendo uma piada. É como se fosse o choque pelo choque.

O que deveria ter acontecido: É mais fácil dizer o que NÃO deveria ter acontecido: no caso, a reviravolta final.

3. Mesmo Se Nada Der Certo (2014)

. .

. (/)

O que aconteceu? Gretta (Keira Knightley) consegue lançar seu álbum e, como boa mulher empoderada, não fica com nenhum homem: escolhe curtir sua solteirice. Enquanto Dan (Mark Ruffalo), já com a vida mais equilibrada, decide voltar para a ex-mulher. E Dave (Adam Levine), o heartbreaker, termina sozinho.

O que não deu para engolir: O filme é bom, é fofo e a trilha-sonora é ótima. Ponto. E eles criaram toda uma atmosfera para que o espectador gostasse e “comprasse” o casal Gretta e Dan, ambos em momentos complicados de suas vidas. Enquanto ele tinha acabado de perder a empresa que ajudou a construir, ela precisava superar um relacionamento tóxico. E eles encontraram um caminho: juntos! E é tão frustrante – mas tão frustrante! – para todo fã de comédia romântica que em nenhum momento do longa eles fiquem juntos… E, por mais que seja incrível – e moderno – a heroína terminar sozinha e entender que não precisa de ninguém para viver feliz, fica aquela sensação de “por quê?”

O que deveria ter acontecido: A Gretta terminar com o Dan! ❤ #shippando

4. Os Esquecidos (2004)

. .

. (/)

O que aconteceu? Os alienígenas devolvem todas as crianças sequestradas.

O que não deu para engolir: O filme é bastante competente em criar a atmosfera de tensão e, sim, o espectador é induzido a questionar a lucidez daquela mulher. Poxa, será que a Kelly (Julianne Moore) está falando a verdade ou será que ela está mesmo louca e nunca teve filho nenhum? O problema mesmo é o final e a explicação absurda para o sumiço das crianças. Extraterrestres? Sério? É frustrante demais pra quem se comprometeu em ver o filme se deparar com esse enredo.

O que deveria ter acontecido: Julianne Moore não ter aceitado participar desse projeto. Isso é o que deveria ter acontecido.

5. A Chave Mestra (2005)

. .

. (/)

O que aconteceu? Caroline (Kate Hudson) é enganada por Luke (Peter Skarsgaard) e acaba presa no corpo de Violet (Gena Rowlands). Os dois espíritos do mal se dão bem.

O que não deu para engolir: O final do filme não é ruim, pelo contrário: é muito bom! Mas isso não é suficiente para tirar aquela sensação de desgosto que dá quando um personagem, no caso a Caroline, pelo qual você passa o filme inteiro torcendo acaba por se dar mal no fim da história.

O que deveria ter acontecido: Caroline, muito esperta, mataria a charada de que o advogado Luke, na verdade, era Papa Justify, e não cairia na “traição” do cara. Com isso, ela destruiria os dois espíritos do mal e terminaria sua tão sonhada faculdade de enfermagem. 

6. Meninos Não Choram.

. .

. (/)

O que aconteceu? Após Brandon (Hilary Swank) ser espancado e estuprado ele vai até a delegacia, porém não recebe apoio do xerife. Desprotegido, é morto com dois tiros. 

O que não deu para engolir: Indicado a três Oscars, entre eles o de Melhor Atriz, vencido por Hilary Swank, “Meninos Não Choram” foi um sucesso de crítica! Por se tratar de uma história real, o que não dá para engolir mesmo é como o ser humano, representado pelos criminosos John Lotter e Tom Nissen, não sabe lidar muito bem com o diferente e com isso acaba por tomar atitudes extremas e brutais. É um final triste, é uma história muito triste, mas indispensável para entender o universo das pessoas transexuais e para escancarar o quanto o preconceito é letal.  

O que deveria ter acontecido: Brandon ser aceito e querido pelo o que era de verdade (no filme e na vida real).

7. A Corrente do Bem (2000)

. .

. (/)

O que aconteceu? O garotinho Trevor (Haley Joel Osment) – sempre tão bom e justo – vai ajudar um amigo e morre esfaqueado.

O que não deu para engolir: A injustiça! O garoto é bom pra caramba, cria um jogo para transformar a sociedade e deixá-la melhor para todos e no final é covardemente assassinado. Tão real e tão triste ao mesmo tempo.

O que deveria ter acontecido: Um final feliz. Own! ❤

8. Super-Homem (1978)

. .

. (/)

O que aconteceu? O Super-Homem (Christopher Reeve) consegue desviar um dos mísseis lançados por Lex Luthor (Gene Hackman), mas o outro atinge os Estados Unidos e causa grande destruição. Pior: mata Lois Lane (Margot Kidder) soterrada. Para trazer de volta à vida seu grande amor, Clark resolve dar voltas ao redor da Terra em velocidade maior que a da luz e com isso faz o tempo voltar (???), salvando o dia.

O que não deu para engolir: Desde quando dar voltas na terra significa fazer o tempo voltar? Sério, Clark Kent?! Não tem sentido! 

O que deveria ter acontecido: O Super-Homem é a pessoa mais poderosa do planeta e deveria ter feito alguma coisa que não fosse dar voltas na terra.

9. A Filha do Mal (2012)

. .

. (/)

O que aconteceu? Todo mundo morre.

O que não deu para engolir: O filme acaba de repente. Sério: DO NADA. A ação tá toda acontecendo, o espectador esperando que algo incrível aconteça, algo como uma batalhe entre o bem contra os possuídos, e o carro simplesmente capota e os créditos sobem na tela. Inacreditável.

O que deveria ter acontecido: Qualquer coisa! Fica parecendo que os produtores não tinham mais orçamento e resolveram matar todos os personagens por ser a solução mais fácil e barata.

10. Abaixo ao Amor (2003)

O que aconteceu? Barbara (Zenée Zellweger) e Catcher (Ewan McGregor) terminam juntos e escrevem um livro falando bem sobre o amor.

O que não deu para engolir: Quer dizer, então, que a Barbara não acreditava mesmo em nada daquilo que pregava em seu livro? Ela só queria mesmo era dar uma lição no Catcher? A garota passou o filme inteiro sendo feminista, buscando maior igualdade entre homens e mulheres para no fim se mostrar uma bela de uma farsante. Propaganda enganosa não é uma coisa legal.

O que deveria ter acontecido: As pessoas mudam, é verdade, mas Barbara deveria ter se mantido fiel aos seus ideias. Aquela garota que queria apenas uma “vingancinha” e chamar a atenção de um homem não era a garota que o espectador conheceu no início do filme e se apaixonou.

 

Menção honrosa: “Cidade dos Anjos”

Não dá para engolir até hoje que a Meg Ryan morre atropelada. NÃO DÁ PARA LIDAR.