16 filmes clássicos imperdíveis para ver na Netflix

Antiguinhos, maravilhosos e imortais.

Alguns filmes são verdadeiras joias escondidas no paraíso chamado Netflix. Mas, bem, outros são indiscutíveis clássicos que são obrigatórios para qualquer fã da sétima arte. Abaixo, uma pequena seleção desses longas imortais.

1. Taxi Driver

Divulgação Divulgação

Divulgação (/)

Sinopse oficial: Neste envolvente conto urbano sobre decadência e insanidade, um taxista transtornado cuida de uma prostituta infantil e trama contra um candidato à presidência dos Estados Unidos.

Por que é clássico: É impossível dizer qual das cenas é mais icônica, além de ser impossível, também, chegar a uma conclusão sobre o final… Um dos mais importantes filmes já feitos, “Taxi Driver” é polêmico, envolvente, atual e foi o responsável por elevar os nomes de Jodie Foster, na época com apenas 14 anos, e Robert De Niro ao primeiro escalão de Hollywood. Obrigatório, tá?

2. Quanto Mais Quente Melhor

Divulgação Divulgação

Divulgação (/)

Sinopse oficial: Eles testemunharam um ataque da máfia e agora devem embarcar em uma fuga cheia de música, plumas e paetês!

Por que é clássico: Que mulher! Que nos perdoem Tony Curtis e Jack Lemmon, ambos incríveis em cena, mas o filme é todo de Marilyn Monroe. Ela, sempre esnobada pelo Oscar, fez aqui uma de suas mais memoráveis performances no cinema. Bastante debilitada pela depressão e pelo uso excessivo de barbitúricos, a atriz deixou o diretor Billy Wilder “louco”. Faltava às gravações, demorava horas para conseguir gravar uma cena de dois minutos (ela ~esquecia~ as falas), porém, quando resolvia: não tinha para ninguém e arrasava. Vale para entender o mito da artista e, claro, pela história engraçadíssima.

3. Perdidos na Noite

Divulgação Divulgação

Divulgação (/)

Sinopse oficial: Para ganhar dinheiro se prostituindo, um caipira se muda para a cidade de Nova York e fica amigo de um trapaceiro indigente.

Por que é clássico: Grande vencedor do Oscar de 1970 (Melhor Filme, Melhor Diretor e Melhor Roteiro Adaptado), tem tudo o que se espera de um bom filme: fotografia esplêndida, história envolvente e personagens carismáticos. Ah, os personagens! John Voight, como o cowboy Joe, e Dustin Huffman, o “mendigo coxo” Ratso, estão fantásticos nos papéis e é impossível não se sensibilizar pela relação dos dois. O longa foi importantíssimo na época – e ainda é – por abrir espaço para temas polêmicos em Hollywood.

4. Um Corpo Que Cai

Divulgação Divulgação

Divulgação (/)

Sinopse oficial: Um dos filmes mais irresistíveis de Alfred Hitchcock conta a história de um detetive policial que tem uma intensa obsessão por uma mulher casada.

Por que é clássico: É simplesmente genial! E essa é a única coisa que você precisa saber.

5. Lawrence da Arábia

Divulgação Divulgação

Divulgação (/)

Sinopse oficial: Neste épico vencedor do Oscar, T.E. Lawrence ajuda a unir tribos árabes em guerra para lutar contra os turcos na Primeira Guerra Mundial.

Por que é clássico: Para começar, levou para casa todos esses Oscars: Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Edição, Melhor Direção de Arte – a cores, Melhor Fotografia – a cores, Melhor Som e Melhor Trilha-sonora. E, em segundo lugar, a atuação de Peter O’Toole, uma das mais aclamadas de todos os tempos! O olhar, o gesticular, a presença magnética… É impossível desviar da tela e não se encantar pela jornada de T. E. Lawrence.

6. O Sol é Para Todos

Divulgação Divulgação

Divulgação (/)

Sinopse oficial: Atticus Finch defende um homem negro inocente contra uma acusação de estupro, mas acaba envolvido em um caso de ódio e preconceito.

Por que é clássico: Corajoso só por adaptar “O Sol é Para Todos”, da escritora norte-americana Harper Lee, um dos maiores livros de todos os tempos, o filme faz mais: ele leva para o conservador universo hollywoodiano uma história sobre racismo e Direitos Humanos.

7. Rocky

Divulgação Divulgação

Divulgação (/)

Sinopse oficial: Sylvester Stallone ficou famoso como Rocky Balboa, um lutador desconhecido que é colocado para lutar contra o campeão mundial Apollo Creed como golpe publicitário.

Por que é clássico: Um filme que soube levar às telas histórias de pessoas comuns, pessoas que não podem desperdiçar uma oportunidade, pessoas que fazem muito com pouco… Talvez isso explique o sucesso do longa e, principalmente, sua universalidade. Uma das melhores produções dos anos 1970 que imortalizou, o então desconhecido, Sylvester Stallone.

8. Por Uns Dólares a Mais

Divulgação Divulgação

Divulgação (/)

Sinopse oficial: Clint Eastwood se une a um caçador de recompensas rival para capturar um fora da lei nesta continuação mordaz do clássico de 1964: “Por um Punhado de Dólares”.

Por que é clássico: Uma aula de como transformar um roteiro relativamente simples em uma das maiores obras cinematográficas. Palmas para Sergio Leone, o diretor.

9. O Mágico de Oz

Divulgação Divulgação

Divulgação (/)

Sinopse oficial: “Não há lugar como o nosso lar” para uma garota que foi tirada da vida na fazenda para uma terra mágica de Munchkins, macacos voadores e cavalos coloridos.

Por que é clássico: Talvez o maior musical de todos os tempos, alçou Judy Garland ao estrelato e influenciou a cultura, a música, a moda e o comportamento da época. A imagem da estrada de tijolos amarelos está fincada no imaginário popular, assim como a história da menina e seus improváveis amigos. Importantíssimo, é reverenciado até hoje por diversas outras produções.

10. Butch Cassidy

Divulgação Divulgação

Divulgação (/)

Sinopse oficial: Uma charmosa dupla de assaltantes decide que a Bolívia é o melhor destino para fugir da lei.

Por que é clássico: Essa música. Esta cena! ❤

11. Amor Sublime Amor

Divulgação Divulgação

Divulgação (/)

Sinopse oficial: Este musical ambientado nos cortiços de Nova York conta a história dos amantes Maria e Tony, apanhados em meio a uma guerra de gangues da rua rivais.

Por que é clássico: Extravagante e superlativo, o musical, uma das primeiras adpatações da história de Romeu & Julieta, foi revolucionário para os anos 1960. O uso das cores, as coreografias e, claro, a qualidade inegável das canções fizeram dele um marco e um clássico.

12. Rede de Intrigas

Divulgação Divulgação

Divulgação (/)

Sinopse oficial: Nesta obra-prima vencedora do Oscar, um âncora de telejornal perde a cabeça no ar e seu chilique ofensivo faz subir a audiência e intriga os executivos do canal.

Por que é clássico: Tão profético, tão atual… Uma obra-prima com atuações fantásticas e alto teor político sobre os bastidores da TV e o poder da comunicação de massa. Se puder, assista agora.

13. Noivo Neurótico, Noiva Nervosa

Divulgação Divulgação

Divulgação (/)

Sinopse oficial: A comédia romântica de Woody Allen revela o relacionamento entre o escritor neurótico Alvy Singer e a cantora aspirante Annie Hall.

Por que é clássico: Coloque Diane Keaton e Woody Allen em uma cena e basicamente você vai ter um clássico. É isso o que acontece em “Annie Hall” – que ganhou o péssimo título “Noivo Neurótico, Noiva Nervosa” no Brasil.

14. Manhattan

Divulgação Divulgação

Divulgação (/)

Sinopse oficial: Em meio a uma crise de meia-idade, um roteirista de televisão fica dividido entre uma estudante e a problemática amante do seu melhor amigo.

Por que é clássico: Traz o melhor de Woody Allen: diálogos rápidos, humor ácido, crítica afiada da sociedade e, claro, Nova York.

15. O Grande Gatsby

Divulgação Divulgação

Divulgação (/)

Sinopse oficial: O misterioso milionário Jay Gatsby está obcecado por Daisy Buchanan, casada com o infiel Tom, formando um trágico triângulo amoroso.

Por que é clássico: A obra de F. Scott Fitzgerald, uma das mais aclamadas na literatura norte-americana, não é fácil de ser adaptada. Cheia de genialidade e nuances, é uma história, digamos, difícil de ser levada às telas de uma forma honrada. Das três tentativas, vamos dizer que o filme de 1974 foi o que mais chegou perto. Os motivos? Robert Redford e Mia Farrow. Eles estão magnéticos e fazem do filme inesquecível e um clássico, mesmo pecando em alguns pontos.

16. A Mulher Faz o Homem

Divulgação Divulgação

Divulgação (/)

Sinopse oficial: Neste clássico de Frank Capra, o senador Frank Smith mantém seu idealismo apesar da corrupção generalizada entre seus colegas de Washington.

Por que é clássico: Por debater, lá na década de 1930, as sujeiras e os desmandos do jogo político. Frank Underwood, de “House of Cards”, bebeu muito dessa fonte.