6 coisas que você não sabia sobre “O Regresso”

O filme conta com 12 indicações ao Oscar, incluindo as de Melhor Filme, Diretor e Ator.

Recordista de indicações no Oscar deste ano, O Regresso impressionou a crítica – e também o público. E não é à toa que o longa dirigido por Alejandro González Iñárritu é um dos nossos favoritos para faturar a estatueta dourada: a produção já levou a melhor tanto no Globo de Ouro quanto no Bafta, o Oscar britânico. 

Na história, que se passa em 1822, e explorador Hugh Glass (Leonardo DiCaprio) parte para o oeste americano para caçar ursos. Depois de ser brutalmente atacado por um deles, Glass é abandonado por seus companheiros de viagem, que acreditavam em sua breve morte. No entanto, o protagonista sobrevive e inicia uma longa jornada para se vingar dos homens que o traíram.

Confira algumas curiosidades que você provavelmente não sabia sobre a produção!

1. É baseado em fatos reais

Reprodução Reprodução

Reprodução (/)

Hugh Glass realmente existiu e viveu entre 1783 e 1833. A história do explorador já foi adaptada diversas vezes, mas foi o livro O Regresso, lançado em 2002 por Michael Punke, que serviu de inspiração para Iñárritu. Na versão cinematográfica, porém, algumas passagens ficaram de fora, como a de vermes se alimentando de partes necrosadas do corpo de Glass.

2. Todo o filme foi feito apenas com luzes naturais

Kimberley French/Twentieth Century Fox Kimberley French/Twentieth Century Fox

Kimberley French/Twentieth Century Fox (/)

Com essa técnica, o espectador consegue encarar as cenas com muito mais realismo e imersão. A ideia foi do Diretor de Fotografia mexicano Emmanuel Lubezki, que concorre ao Oscar pelo trabalho. Levando nove meses para que o longa terminasse de ser gravado (três a mais que o previsto), o elenco só conseguia filmar durante uma hora por dia, além de ter sido preciso deslocar a equipe do Canadá à Patagônia argentina para buscar neve suficiente para o trecho final da produção. 

3. O filme contou com um metereologista próprio

Twentieth Century Fox Film Corporation Twentieth Century Fox Film Corporation

Twentieth Century Fox Film Corporation (/)

Apesar de não ser muito comum ter um especialista desses na equipe, Jordan Witzel, do Global Calgary Meteorologist, foi o responsável por identificar os melhores lugares para as filmagens, observando tanto a iluminação quanto a quantidade de neve disponíveis nos locais.

4. Foi criada uma avalanche “de verdade”

Reprodução Reprodução

Reprodução (/)

Apesar de ter sido provocada, a avalanche realmente aconteceu. O diretor instalou explosivos na Fortress Mountain, em Alberta, no Canadá. Por isso, a cena em questão precisou ser gravada de uma só vez, não abrindo espaço para erros.

5. O casaco que DiCaprio usou nas filmagens foi feito com pele de urso MESMO

Kimberley French/Twentieth Century Fox Kimberley French/Twentieth Century Fox

Kimberley French/Twentieth Century Fox (/)

Segundo a figurinista Jacqueline West, que também está concorrendo à estatueta dourada pelo trabalho, a pele foi obtida legalmente através do Departamento de Parques do Canadá. Como a caça é proibida por lá, é muito provável que o animal tenha falecido por alguma causa natural.

6. Léo precisou quebrar o jejum de carne

Kimberley French/Twentieth Century Fox Kimberley French/Twentieth Century Fox

Kimberley French/Twentieth Century Fox (/)

DiCaprio até tentou fazer a cena com uma “carne de mentira”, mas o resultado não o agradou. Buscando a perfeição, o ator pediu para que a produção providenciasse carne crua de verdade. Assim, ele, que é vegetariano na vida real, acabou dando algumas mordidas em um fígado bovino cru. Será que desta vez, com tantos esforços, ele finalmente levará o sonhado troféu para casa?

Confira o trailer!