Eita! Entenda por que a Justiça condenou Katy Perry por plágio

A cantora foi acusada de copiar parte da música "Joyful Noise", do rapper Flame.

Chocada! Na última segunda-feira (29), a corte de Los Angeles decidiu que a música “Dark Horse”, de Katy Perry, plagiou o rap cristão “Joyful Noise”. Já nesta terça-feira (30), a corte decidirá qual será o valor de indenização a ser paga ao rapper Flame (Marcus Gray), o dono da música original. 

O julgamento durou uma semana e os dois lados foram ouvidos. Enquanto que Katy afirmava que a música era sua, os advogados de Flame usaram um trecho de 16 segundos instrumentais para comprovar que a música da cantora pop foi um plágio. Os nove jurados da corte decidiram que “Dark Horse” realmente viola a lei de direitos autorais.

Sobre a indenização, o valor a ser recebido por Flame pode ser ainda maior por conta de uma ressalva feita pelo rapper. Ele afirma que teve sua imagem difamada pelas imagens do clipe de “Dark Horse”. Para ele, o vídeo incita “feitiçaria anticristã, paganismo, magia negra e imagens Illuminati”.

O processo foi aberto em 2014, um ano após o lançamento da música de Katy Perry, por Flame e seus dois colaboradores, Emanuel Lambert e Chike Ojukwuhis. Da mesma forma que mais pessoas foram envolvidas na abertura do caso, a culpa também não envolve somente a cantora pop. A gravadora Capitol Records, a compositora Sarah Hudhson, o rapper Juicy J e os produtores Dr. Luke, Max Martin e Cirkut também foram declarados culpados.

Katty e Dr. Luke garantem que não conheciam “Joyful Noise” na época em que “Dark Horse” foi gravada, mas a Justiça acredita que houve plágio.

Ouça aqui as músicas “Dark Horse” e “Joyful Noise” para ver a semelhança do arranjo instrumental: