A história real que inspirou a trilogia “Antes do Amanhecer”

Conheça a história de Amy Lehrhaupt, a musa inspiradora de Richard Linklater para a trilogia "Antes do Amanhecer".

Antes do Amanhecer” é um lindo filme de 1995 que conta a história de Jesse (Ethan Hawke) e Céline (Julie Delpy), dois jovens que se conhecem durante uma viagem de trem e decidem passar uma noite juntos em Viena. Ao fim da noite, eles se despedem prometendo se encontrar depois de seis meses no mesmo local.

A história continuou com “Antes do Pôr-do-Sol“, lançado em 2004, que responde à pergunta que os fãs se fizeram por quase 10 anos – será que eles se encontraram de novo como combinaram? E virou trilogia com “Antes da Meia-Noite“, em 2013.

O que pouca gente sabe é que o roteirista e diretor Richard Linklater se inspirou em uma história pessoal para fazer o filme. Foi só no final de “Antes da Meia-Noite” que ele abriu o jogo e dedicou a obra a Amy Lehrhaupt.

O mistério tem motivo: a história real de Linklater não tem final feliz, e ele só se sentiu à vontade para falar sobre Amy 25 anos depois do primeiro encontro dos dois. O diretor conheceu Amy em 1989, na Filadélfia, onde estava visitando sua irmã. Os dois se esbarraram em uma loja de brinquedos – naquela época não havia Tinder -, gostaram um do outro e passaram a noite e a madrugada juntos se divertindo.

Qualquer semelhança com a história de “Antes do Amanhecer” não é mera coincidência. Linklater contou em entrevistas que durante a noite ao lado de Amy ele imaginou que seria muito bom conseguir capturar e transmitir o que ele estava sentindo naquele momento. E ele chegou a dizer para Amy que faria um filme sobre aquela noite.

No fim da noite, diferente de Jesse e Céline, o casal trocou telefones e, por um tempo, manteve contato. Mas a distância fez com que o relacionamento fosse esfriando, Linklater começou outro relacionamento, e ele e Amy perderam o contato.

Durante algum tempo, o diretor fantasiou que Amy fosse aparecer em alguma estreia de “Antes do Amanhecer”, que eles iriam se reencontrar dessa forma. Não à toa, em “Antes do Pôr-do-Sol” Céline aparece de surpresa no lançamento do livro de Jesse em Paris. Mas na história da vida real, ela não apareceu.

Não por nenhuma mágoa, mas porque Amy Lehrhaupt morreu superjovem, em 1994, aos 24 anos. Ela sofreu um acidente de moto e não resistiu aos ferimentos. O diretor só descobriu que sua musa inspiradora havia morrido em 2010, quando a obra inspirada nela já tinha dois capítulos.

Por isso, no terceiro filme da trilogia, se você assiste os créditos após o final, vai ver essa linda dedicatória a Amy Lehrhaupt. E provavelmente agora os filmes vão ganhar um novo significado para você.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s