Por que o Dia da Mulher é comemorado em 8 de março?

Saiba qual é a história por trás dessa data que é tão simbólica para as mulheres.

Siga o mdemulher no Instagram

Durante toda a história, as mulheres protagonizaram grande parte das manifestações e movimentos sociais no mundo todo. Um deles é aquele que defende sua própria liberdade e conquistas culturais, sociais e políticas.

O Dia Internacional da Mulher tem um histórico de muita luta e representatividade, e é por essa busca por igualdade de direitos que uma data específica foi estipulada. Em 1909, o primeiro Dia da Mulher foi instaurado nos Estados Unidos a partir da sugestão da ativista e educadora Theresa Malkiel. Mas ainda não era mundial.

Sufragistas marchando com placas nos Estados Unidos.

Sufragistas marchando com placas nos Estados Unidos. (Universal History Archive/UIG/Getty Images)

Ela foi uma das várias que lutaram pelo direito ao voto em uma época muito conservadora e marcada pelos discursos machistas. Duas mil pessoas foram às ruas. No ano seguinte, a alemã Clara Zetkin foi ao II Congresso de Mulheres Socialistas (realizada em Copenhague, naquele tempo), e debateu o estabelecimento desse dia para todos os países dos mundo.

Logo após isso, em 1911, a organização do grupo Internacional Socialista quis proclamar o Dia da Mulher para reconhecer a causa feminina, ao passo que multidões de mulheres manifestavam nas ruas de outros países e exigiam mais direitos e visibilidade no trabalho.

Mas quem realmente conseguiu avançar nesse quesito foram as russas, que invadiram as ruas de Moscou, em 1917, em repúdio à Primeira Guerra Mundial e à extrema pobreza que o país enfrentava naquele momento crucial. O governante da época, Nicolau II, cedeu à pressão feminina e lhes garantiu o direito de voto.

Manifestação de mulheres russas em 1917.

Manifestação de mulheres russas em 1917. (Fine Art Images/Heritage Images/Getty Images)

O famoso incêndio

Outro marco importante para que a data fosse instituída aconteceu em 1911. As condições de trabalho nas fábricas eram terríveis. Os donos dos estabelecimentos escondiam os relógios e trancavam as portas para que os funcionários perdessem a noção de tempo e trabalhassem mais. E foi aí que aconteceu uma tragédia. Na Triangle Shitwaist Company, um incêndio no dia 25 de março começou durante o expediente que matou 146 pessoas, sendo 21 homens e 125 mulheres.

A comoção foi tamanha que no dia 5 de abril, 100 mil pessoas se reuniram no funeral coletivo das vítimas e exigiram justiça. Por isso muitos creditam este acontecimento como o precursor da data comemorativa do Dia da Mulher, ainda que ele não tenha ocorrido em 8 de março.

Tudo isso foi muito contundente para as viventes daqueles anos, mas a comemoração oficial neste dia que conhecemos hoje só veio a acontecer em 1975, quando a Organização das Nações Unidas (ONU) decretou como o Dia Internacional da Mulher. 

Desde então, todos os países reconhecem que nesta data celebramos as conquistas destas mulheres que lutaram bravamente no passado – mesmo que ainda haja muito para igualar as suas oportunidades às dos homens. O que importa é que a luta continua, dia após dia.