Estilo de Vida

Algo velho, novo, emprestado e azul no casamento: de onde vem a tradição?

Seja nos filmes, livros ou em casamentos de famosos, é capaz que você já tenha visto ou ouvido falar que, de acordo com uma antiga tradição, ao se casar a noiva deve usar quatro coisinhas diferentes: algo antigo, algo novo, algo emprestado e algo azul. Mas, afinal, de onde vem essa superstição e o que ela significa?

O costume é originário da Inglaterra, mais especificamente da cidade de Lancaster. Em inglês, os quatro elementos, juntos, formam uma rima popular: “Something old, something new, something borrowed and something blue” que, se colocada em prática no dia do casamento, é conhecida até hoje por promover boa sorte aos futuros noivos ou noivas.

Não se sabe ao certo quando a ideia surgiu, mas a rima aparece em destaque em uma publicação datada de 1883, explicada em detalhes por Charlotte Sophia Burne, a primeira presidente do sexo feminino da London’s Folklore Society, associação criada para estudar a cultura tradicional do Reino Unido. No material, por sua vez, além dos quatro itens já citados, existe mais uma linha que completa a tradição:

“Something old, something new, something borrowed, something blue and a silver sixpence in her shoe”.

Traduzindo, “Algo antigo, algo novo, algo emprestado, algo azul e uma moeda de seis centavos de prata (a chamada ‘sixpence’) no sapato dela”, formam os cinco amuletos da sorte para as noivas – mas cada um deles tem seu significado particular. Entenda, a seguir.

Algo velho/antigo

Usar algo antigo no dia do casamento, segundo a tradição, serve para afastar o mau-olhado, a inveja, além de funcionar como amuleto de proteção para os futuros filhos que o casal poderia ter – dizem que o mau-olhado é capaz de causar infertilidade na mulher. Trazendo para os dias atuais, o sentido pode ser mais simples, e o objeto pode servir como uma homenagem a parentes que já se foram ou tiveram papel fundamental na criação dos noivos ou noivas – muitas vezes, o “algo antigo” é herança de família que passa de geração para geração.

Pode ser:

O próprio vestido de noiva usado pela sua mãe e reformado para o seu casamento

Joias que vieram da sua avó

Uma foto de entes queridos que não estão mais aqui

Um véu de noiva, usado por diferentes mulheres da família

Broches e pingentes guardados há anos

Veja também

Algo novo

Alguns dizem que o “algo novo” da rima não possui um sentido específico, mas foi colocado no texto simplesmente para causar o efeito sonoro. Outros dizem que, portar um objeto nunca usado no dia do casamento – que, vamos combinar, pode ser absolutamente qualquer coisa, do vestido ao batom – é garantia de um futuro otimista para quem vai trocar alianças. Se quiser tornar a tradição mais significativa, aproveite a brecha para estrear um presente de alguém querido como seu “algo novo” quando for se casar.

Outras ideias:

Um par de sapatos comprado especialmente para a ocasião

A lingerie da noite de núpcias

O vestido de noiva, claro

Acessórios, como uma coroa

Um buquê com flores frescas

Algo emprestado

A tradição antiga aponta que usar algo emprestado é mais uma maneira de atrair boa sorte ao casamento que será concretizado. Entretanto, pela simpatia, o objeto deve vir de outra noiva que viva um casamento feliz e tenha filhos saudáveis – de modo que a sorte dessa casal passe para o próximo. Nos Estados Unidos o costume é um pouco diferente, e muitas vezes o “algo emprestado” vira “algo roubado” de modo que a noiva pegue um objeto de outra pessoa, sem que ela perceba, e só revele após a cerimônia.

Claro que nenhuma dessas coisas precisa, mais uma vez, ser levada ao pé da letra: assim como usar “algo antigo”, “algo emprestado” também é uma maneira carinhosa de homenagear parentes e amigos do coração no dia do casamento.

Como?

Pegando a receita da sua avó do seu bolo favorito e o transformando no bolo de casamento

Usando um par de sapatos da sua melhor amiga, mãe ou irmã

Pedindo para que alguém querido te empreste o próprio amuleto da sorte

Usando aquele item de maquiagem que você viu no necessáire da amiga e nunca pediu emprestado

Amarrando uma fitinha de cetim que estava na casa de algum conhecido na base do buquê

Apostando em acessórios – brincos, grampos de cabelo, colares, pulseiras – vindos de alguém que você ama

Algo azul

Usar algo azul no casamento, de acordo com a superstição, era mais uma maneira de afastar o mau-olhado (não à toa, o olho grego, amuleto da sorte feito para combater a inveja, é azul), de modo que as noivas da época costumavam vestir uma liga (de cinta-liga, mesmo) do tom por baixo do vestido de noiva. A cor, em uma análise mais contemporânea, também representa pureza e fidelidade que, em um relacionamento, são qualidades essenciais – além de, vamos combinar, dar um toque moderninho e ousado para o look noiva.

Como incorporar o azul?

Nos sapatos ou na sola do sapato branco (é só pintar)

No buquê, com flores do tom

Em um bordado na barra do vestido

Usando flores para enfeitar o penteado

No make, nas unhas e, por que não, nos cabelos

Em alguma joia

Nos vestidos das madrinhas, que vão te acompanhar durante a cerimônia

E a moeda?

Em linhas gerais, usar um “sixpence” no sapato serve para garantir prosperidade na nova vida do casal. Se você quiser adaptar a tradição, carregue uma nota ou moeda de real (dólar, euro ou o que você tiver em mãos) dentro do sapato, bordada no vestido ou escondida em algum compartimento secreto da sua produção.