‘Dói mais por dentro’, diz mulher agredida por marido de delegada

Em entrevista, Edvânia Nayara Ferreira Rezende desabafou sobre o chocante episódio.

“Nenhuma mulher deve se calar, por mais medo que possa ter”.

Edvânia Nayara Ferreira Rezende, de 23 anos, em entrevista nesta segunda-feira, 19, à EPTV, afiliada da Rede Globo, afirmou querer justiça. “Foi a primeira e a última, ninguém quer passar por isso de novo. Mas se passar, eu não vou temer. Pode ser quem for. Se acontecer comigo, ou se eu souber de alguém que fez, eu vou denunciar. Porque isso não é uma coisa que a gente tem que deixar por baixo dos panos. Se você fez um crime, você tem que pagar por ele”, disse ela.

Leia Mais: Gaga dá resposta incrível após duvidarem dela ter sido estuprada

Agredida neste final de semana por Luiz Felipe Neder Silva, de 34 anos, após intervir na briga dele com a esposa, a delegada da Delegacia da Mulher Ana Paula Gontijo, a segurança foi ferida com um soco e um pontapé no rosto. 

“Graças a Deus não foi tão grave assim [os ferimentos], mas dói mais por dentro. Eu tenho fé em Deus que ele vai pagar pelo que ele fez. Tem muita gente me ajudando. Como todo mundo viu, eu fui uma vítima de um covarde, porque ele pra mim não é um homem, é um covarde. Ele está na cadeia, ele tem que pagar pelo crime que ele fez, não só por mim, mas ele já agrediu outras pessoas. E eu poderia ser só mais uma a apanhar dele, mas não, eu estou com a cara à tapa e o que eu puder fazer pra botar ele na cadeia e deixar ele pagar pro resto da vida dele, ele vai pagar”, contou.

O vídeo da cena é chocante:

De acordo com o G1, o agressor teve prisão preventiva decretada neste domingo, 18, e irá responder por lesão corporal contra Edvânia, além disso foi enquadrado na Lei Maria da Penha por causa das agressões contra a esposa.

Como denunciar violência contra a mulher

Ela pode ser feita em qualquer delegacia, com o registro de um boletim de ocorrência, ou pela Central de Atendimento à Mulher (Ligue 180), serviço da Secretaria de Políticas para as Mulheres. A denúncia é anônima e gratuita, disponível 24 horas, em todo o país.