Entenda como o Snapchat ajuda vítimas de violência sexual na Índia

Isso é muito poderoso.

O Snapchat já se provou um sucesso no mundo todo, mas, muito mais do que um passatempo para adolescentes, a ferramenta pode ser usada para um bem maior: ajudar vítimas de abuso sexual a contar as histórias delas e, dessa forma, conscientizar outras pessoas.

Yusuf Omar, um jornalista de 27 anos do Hindustan Times, da Índia, teve a ideia de entrevistar sobreviventes de violência sexual e documentar tudo com o aplicativo. A forma que ele encontrou para fazê-las falar sem medo de represálias ou de serem identificadas? Por meio dos filtros disponíveis! 

As próprias garotas escolhiam como iriam aparecer. “Isso fez com que elas se sentissem empoderadas – parte daquilo. Elas estavam contando a própria história. Era uma selfie; estavam segurando o celular. Eu sequer apertei o botão gravar… Eram apenas as garotas olhando para elas mesmas nos olhos e falando sobre a pior coisa que aconteceu na vida delas”, contou o editor.

De acordo com ele, ninguém que passou por esse tipo de coisa gostaria de ter, por exemplo, várias câmeras e uma luz gigante apontada para o rosto. “Pela primeira vez, nós podemos ver alguém com a identidade preservada, mas com os olhos visíveis. Você pode ver a mandíbula se mexendo, as expressões da testa. É muito mais íntimo e quem assiste pode se relacionar com a história”, explicou ele.

As gravações aconteceram durante a primeira “Escalada Contra o Abuso Sexual” na Índia. A iniciativa, que já acontece em 17 outros países, é uma forma de inspirar outras pessoas a fazerem o mesmo, a falar. Segundo os organizadores, as montanhas são metáforas que significam superação – mental e física.

Assista ao vídeo

Pior país para as mulheres

A iniciativa ganha ainda mais importância pela Índia ser considerada pela ONU o pior lugar (no grupo das vinte nações mais ricas do mundo) para uma mulher viver. Em média a cada 21 minutos acontece um estupro no país, de acordo com dados do Escritório Nacional de Crimes da Índia.

O sistema de castas, terrível divisão social ainda vigente, só faz piorar a situação já que, por exemplo, mulheres que não têm condições para pagar dotes matrimoniais são queimadas pela família do noivo em represálias. E nem as mudanças feitas recentemente na legislação, que ampliaram a definição de estupro, além de endurecer as penas, fizeram o efeito esperado: segundo dados do Governo em apenas 28% dos casos os agressores são punidos – sem mudança em relação aos anos anteriores.

Por isso, e por medo até mesmo dos próprios familiares, muitas vítimas de abuso sexual, infelizmente se calam. E o Snapchat está ajudando essas mulheres no processo de dividirem com os outros os horrores vividos.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s