“Estão acabando com a vida da gente”, diz homem do vídeo machista na Copa

"No Brasil estamos com problema de educação, saúde, corrupção e vão fazer isso com a gente. Estão instigando os russos contra nós", emendou Luciano Gil.

Siga o mdemulher no Instagram

“Somos pais de família, trabalhadores e vocês estão acabando com a vida da gente… Quem está brincando carnaval exagera um pouquinho na bebida e às vezes passa do ponto”, declarou o engenheiro Luciano Gil, um dos homens que aparecem no vídeo machista que tornou-se a principal polêmica do Brasil na Copa 2018. Em entrevista ao UOL, ele pediu “desculpas às mulheres que possam ter se sentido ofendidas” e emendou: “mas estão transformando um copo d’água em uma tempestade”. 

Luciano não parou por aí e criticou quem está dando importância ao caso. “No Brasil estamos com problema de educação, saúde, corrupção e vão fazer isso com a gente. Estão instigando os russos contra nós. Até agora eles foram muito solícitos, principalmente as russas. Carinhosas, afetivas. Os brasileiros estão instigando a violência aqui”. 

Seguindo a linha da crítica social, ele relativizou ainda mais a questão: “Só ganhou essa conotação porque aconteceu aqui na Rússia, mas se fosse na favela ou no carnaval, seria considerado normal”. Além disso, Luciano afirmou que um brasileiro traduziu para o russo as palavras “buceta rosa” e que a mulher do vídeo tinha plena consciência do que estava dizendo. 

O homem também aproveitou para dizer que jamais agrediu mulheres e que tem uma filha. “Nunca agredi mulher, naquela hora não houve coação moral, não houve forçação de barra com ela, não houve mão boba, não teve nada disso. Ela estava superanimada, como diversas russas que estão curtindo a festa, porque as russas nunca tiveram uma festa como essa”.

Também segundo o UOL, Luciano já foi alvo de um operação conjunta da Polícia Federal e da Controladoria Geral da União por conta de desvio de dinheiro na licitação de obras da Prefeitura de Araripina, no Piauí. Questionado a respeito disso, o engenheiro disse que apenas prestou depoimento e enviou um print de seu atestado de antecedentes criminais. 

Além de Luciano, outros homens envolvidos no vídeo já foram identificados. Um deles é tenente da Policial Militar e até já deu entrevista numa reportagem sobre assédio sexual em universidades.