Mais um funk com apologia ao estupro é denunciado no Spotify

"E se você pedir pra mim parar, não vou parar. Porque você que resolveu vir pra base transar", diz MC Denny em "Vai, Faz a Fila".

Numa claríssima alusão ao estupro, a letra do funk “Vai, Faz a Fila” – de MC Denny – diz: “Vou socar na tua buceta sem parar. E se você pedir pra mim parar, não vou parar. Porque você que resolveu vir pra base transar. Então vem cá, se você quer, você vai aguentar”.

Esse é o maior sucesso do cantor e agora quem entrou na fila foi ele, pois o Spotify vem recebendo denúncias a respeito da música. Essa semana, o funk “Só surubinha de leve”, de MC Diguinho, foi tirada da plataforma por também fazer apologia ao estupro. “Taca bebida, depois taca pica e abandona na rua”, diz a letra.

“O Spotify analisa e trata cada caso de acordo com a situação. Além disso, esperamos que os usuários do Spotify usem seu próprio critério para determinar exatamente a música que escutam”, declarou o Spotify ao Hipness. Enquanto isso, a música continua no catálogo (ao menos continuava até a publicação dessa matéria).

Nesse meio tempo, a Secretaria Nacional de Política para Mulheres emitiu uma nota pedindo a apuração de funks como esse. “Para apuração e responsabilização quanto aos possíveis crimes praticados, a SPM solicitou ao Ministério Público Federal e ao Fórum Nacional de Juízes de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher (FONAVID) providências cabíveis”, diz o documento.

Segundo o artigo 287 do Código Penal, “fazer, publicamente, apologia de fato criminoso” também é crime. A pena prevista é de três a seis meses de prisão, ou multa.