Por que a existência de vida após morte mexe tanto com as pessoas?

O debate sobre a vida após a morte nunca foi tão frequente. Mas, afinal, por que esse assunto nos instiga tanto? Descubra com a reportagem da revista BONS FLUIDOS de julho

Afinal, o que nos espera para além desta vida?
Foto: Reprodução


Se a vida após a morte existe ou não ninguém poderá emitir atestado de garantia. O que não falta são especulações e pessoas interessadas por este tema. É o que aponta uma matéria especial da revista BONS FLUIDOS de julho. Mas, afinal, por que a existência – ou não – de vida depois da morte é um tema que mexe tanto com todos nós?

Num país predominante cristão, 3,4 milhões de pessoas foram ao cinema assistir Chico Xavier – o Filme, adaptação da biografia do médium e líder espírita, lançada em abril de 2010. No embalo desse sucesso, foram lançados outros filmes e documentários com o mesmo foco. O mercado editorial espiritualista também apresenta a mesma efervescência dos estúdios de cinema “A literatura espírita movimenta de 15 a 20 milhões exemplares anuais”, afirma Jetter Jacomini Filho, vice-presidente de comunicação de Associação de Editoras, Distribuidoras e Divulgadores do Livro Espírita (Adeler). A questão é: o que as pessoas realmente procuram descobrir por meios dos livros e filmes? Parece que vivemos em tempos tão incertos, a ponto de buscarmos conforto não na vida em si, mas em sua continuidade em esferas superiores. Será por isso que sentimos uma urgência em compreender o incompreensível?

A necessidade de encontrar sentido para os eventos da vida acaba vencendo. “Quem sou eu? O que estou fazendo aqui? Para onde vou depois da morte?” Na visão de Geraldo Campetti, diretor da federação Espírita Brasileira, mesmo as indagações tão complexas não dão conta de saciar a nossa sede de entendimento: “As pessoas querem explicações mais racionais para a vida e isso instiga questionamentos existenciais muito mais amplos e profundos”.

Por um mundo mais afetivo

Por que a existência de vida após morte mexe tanto com as pessoas?

Para o reforçar o legado da guru indiana Amma, seu discípulo, Swami, nos fala de valores como amor e a fraternidade
Foto: Reprodução

O amor pela humanidade alimenta o imenso coração da Amma, guru indiana que semeia a compaixão, distribuindo abraços e conforto espiritual mundo afora. Seu discípulo, Swami Ramakrishnananda, esteve no Brasil para transmitir o legado dessa mãe universal e enfatizar que a verdadeira realização advém do despertar da consciência individual e coletiva. Em entrevista para a edição 148 da BONS FLUIDOS, ele afirmou que há muito sofrimento e conflito no mundo devido à falta de amor e compaixão. “As pessoas precisam de modelos de liderança capazes de direcioná-las rumo ao resgate desse nobre sentimento, como pais que instruem seus filhos para vida. Amma tenta ser esse modelo para seus semelhantes, indicando um caminho para ser seguido para a obtenção da paz.”

Autoconhecimento

Por que a existência de vida após morte mexe tanto com as pessoas?

Apoiado agora por pesquisas cinetíficas, esse método pode complementar inúmeros tratamentos e amenizar muitos males
Foto: Reprodução

Você aceitaria fazer uma sessão de hipnose? Muitas pessoas morrem de medo. Os especialistas já estão até acostumados: levam no mínimo 15 minutos da consulta desfazendo conceitos distorcidos sobre o método, e explicando os benefícios, os limites e a seriedade dele. Feitas as devidas apresentações, no entanto, o difícil é não ficar hipnotizado com o tema. Reconhecida pelos conselhos federais de medicinam psicologia e odontologia, a hipnose médica é um coadjuvante no tratamento de diferentes males. Especialmente os de origem psicossomática, como ansiedade, fobia, dores crônicas ou agudas.