Ser menina no Brasil é pior do que no Paquistão, indica relatório internacional

De acordo com a ONG "Save The Children" Brasil é o 102º colocado em ranking de qualidade de vida para meninas.

No Dia Internacional da Menina, data criada pela ONU para que lembremos que a desigualdade de gênero começa na infância, a ONG britânica Save the Children divulgou um relatório que detalha a condição de vida de meninas ao redor do mundo. Dos 144 países pesquisados, o Brasil se destaca negativamente: é o 102º colocado, abaixo de países como Índia, Timor Leste, Iraque, Namíbia e Paquistão. Os países mais bem colocados do ranking são Suécia, Finlândia, Noruega, Holanda e Bélgica. 

A qualidade de vida das meninas em cada país foi medida considerando diversos aspectos, como o índice de casamentos infantis, taxa de fertilidade na adolescência, mortalidade materna, número de mulheres na política e possibilidade de completar o ensino fundamental. O que puxa o Brasil tão para baixo no ranking são dois aspectos em especial: o alto número de casamentos infantis e de gravidez na adolescência. O Brasil ocupa o vergonhoso quarto lugar no mundo em número absoluto de crianças casadas. Além disso, dados coletados pelo Movimento Todos pela Educação mostram também que 75% das adolescentes com filhos estão fora da escola.

É uma notícia para se lamentar. No relatório da ONG, países mais pobres que o nosso, como por exemplo o Nepal, conseguem oferecer mais qualidade de vida para as meninas. O país asiático oferece educação de qualidade, comparável a da Espanha, o que ajudou a garantir o 85º lugar. Ruanda, um dos países mais bem colocados da África, é um bom exemplo por ter um grande número de mulheres no parlamento – 64% das cadeiras são ocupadas por elas, e o país é o 49º do ranking. 

Mais uma prova de que garantir boa qualidade de vida para as meninas não tem só a ver com a riqueza do país vem da colocação da maior economia do mundo, os Estados Unidos. Embora no Índice de Desenvolvimento Humano os norte-americanos ocupem o oitavo lugar, eles são os 32º colocados no ranking de qualidade de vida das meninas – pouca representação feminina no parlamento, alto índice de adolescentes grávidas e de mortalidade materna fazem com que a potência econômica não trate tão bem suas meninas.

Embora o relatório da Save the Children não seja animador, ele mostra que a mudança é possível, basta que o governo tenha vontade de proporcionar uma vida melhor para as meninas. Uma presença maior de mulheres na política, por exemplo, significa que mais atenção será dada aos direitos das mulheres, como acontece em Ruanda. Prevenir a gravidez na adolescência – ou oferecer a possibilidade de interromper uma gravidez indesejada – pode evitar que as meninas tenham de parar de estudar e possam seguir seus planos de vida. Acabar com o casamento infantil garante que a autonomia das meninas não seja cerceada e diminui a violência das mulheres. É preciso melhorar a vida das meninas. 

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s