Uber lança podcast sobre violência contra a mulher para motoristas do app

Os motoristas que ouvirem todos os episódios vão receber em seus perfis o selo Compromisso de Respeito às Mulheres, que será exibido no aplicativo.

Ser mulher, sabemos muito bem, não é fácil. Basta olhar os números e dados referentes à violência contra a mulher – agressão, estupro, feminicídio – para entender que, até para sair de casa, uma mulher tem preocupações bem justificadas. De tempos em tempos, surge algum relato de violência ocorrida dentro do transporte público – seja no ônibus, metrô ou trem. E há registros também nos meios de transporte privados, como táxi e Uber.

“Na escala em que operamos, realizando milhões de viagens por semana, os problemas mais feios da nossa sociedade, como o assédio e o racismo, acabam aparecendo no dia a dia das nossas operações”, explica Claudia Woods, diretora-geral da Uber no Brasil. Atualmente são 600 mil pessoas que trabalham como motoristas de Uber em todo o país.

Com o objetivo de combater os casos de assédio e violência contra a mulher no Uber, a empresa firmou um compromisso em novembro de 2018 para criar ações educativas e prestar assistência às vítimas de violência. E nesta semana a empresa lança o Podcast de Respeito, um programa em seis episódios que quer transformar os motoristas de Uber em aliados no combate à violência contra a mulher. 

O conteúdo do podcast foi criado pela ONG Promundo, especializada em envolver homens e meninos em trabalhos pela igualdade de gênero. O formato podcast foi escolhido depois de uma pesquisa feita com os motoristas de Uber, que podem ouvir os programas enquanto dirigem.

selo uber Compromisso de Respeito às Mulheres Este é o selo Compromisso de Respeito às Mulheres

Este é o selo Compromisso de Respeito às Mulheres (Uber/Divulgação)

Os motoristas que ouvirem todos os seis episódios do podcast receberão o selo Compromisso de Respeito às Mulheres. A partir do mês de maio, as usuárias do aplicativo poderão checar se o motorista selecionado para atendê-la recebeu o selo – e, portanto, ouviu o podcast e pôde refletir a respeito da questão da violência contra a mulher.