Veganismo: muito além de cortar a carne das refeições

No Dia Mundial Vegano, entenda mais sobre o estilo de vida que não aceita matéria-prima derivada de animais.

Nada de carne ou qualquer derivado de animais – ovo, queijo, leite etc. – no prato e no copo. Nem pensar em roupas com matéria-prima animal, como lã, seda e couro. Cosméticos ou produtos de higiene, só se forem livres de componentes animais e cruelty-free, ou seja, que não tenham sido testados em animais. Estes são os principais pilares do veganismo, estilo de vida que tem crescido muito no mundo e que hoje conta com cerca de 5 milhões de adeptos no Brasil.

Os motivos que levam uma pessoa a se tornar vegana são variados, mas há um padrão: o respeito pela vida animal em todas suas formas fala muito alto. “Pela experiência clínica percebemos que, disparado, as razões éticas vêm em primeiro lugar”, afirma a nutricionista Gisele Severo. “Logo depois vêm questões relacionadas à saúde, como intolerância alimentar e prevenção de doenças”.

Alimentação vegana

O grande clichê quando se fala em veganismo todo mundo conhece: “Mas e as proteínas?”. Elas vão bem, obrigada. “A persistência neste mito não é nutricional, mas cultural. Os alimentos vegetais são perfeitamente capazes de suprir todas as necessidades proteicas do organismo humano”, garante o nutricionista George Guimarães.

Ele explica que “com uma dieta variada e composta por oleaginosas (castanhas, nozes etc.), leguminosas (como feijão, lentilha, ervilha) e cereais integrais não há como errar”. A não ser, é claro, que a pessoa não coma o suficiente para suprir suas necessidades calóricas diárias – mas isso não tem nada a ver com o veganismo, porque pessoas onívoras também podem não comer a quantidade necessária para se manter saudável.

Comida vegana

Veganos podem comer muito bem: que tal uma tortilla de vegetais grelhados e lentilha? Nham! (annapustynnikova/Thinkstock)

O único porém da dieta vegana é a falta de vitamina B12, que realmente só é encontrada em alimentos de origem animal. Por ser indispensável para o sistema nervoso, é necessário fazer sua reposição por meio de comprimidos, xarope ou alimentos artificialmente fortificados. E tudo bem.

Para não correr o risco de ingerir algum alimento com derivados animais, os veganos precisam ler atentamente os rótulos de tudo que compram. Uma opção que tem se tornado cada vez mais popular é o serviço de assinatura de alimentação vegana, como a OneMarket (que tem a Vegana Box), a Veggie Box e a Mundo de Gaia. A curadoria dos produtos facilita muito a vida deste público.

Roupas veganas

Jaqueta ou bota de couro, blusa de seda e casaco ou touca de lã são alguns dos itens que não entram no guarda-roupa de nenhum vegano.

No lugar desses materiais entram o couro sintético e as fibras naturais – algumas muito comuns para todos os públicos, como o algodão e o linho.

E mais uma vez o vegano precisa ler bastante (neste caso, as etiquetas das peças que queira comprar). Elas geralmente trazem informações sobre a origem das matérias-primas usadas, com porcentagens detalhadas.

Também vale a pena recorrer direto a marcas de roupas veganas. Como elas seguem a filosofia de não utilizar componentes animais em suas confecções, poupa-se o trabalho de precisar ler item por item em cada etiqueta.

Entre as marcas veganas que se destacam estão Insecta Shoes (que faz sapatos com reciclagem de tecidos de roupas), Svetlana (sua criadora, Mariana Iacia, fez estágio com Stella McCartney, uma das principais estilistas veganas do mundo), Nicole Bustamante (que também produz itens de decoração veganos), Canna (cujo carro-chefe é a linha de bolsas, carteiras e cases de couro sintético), Fauna Veg Store (seu forte são camisetas e vestidos artesanais) e Zezeres (que faz óculos com reaproveitamento de madeira).

Sapatos veganos

Os sapatos veganos da Insecta Shoes (Instagram @insectashoes/Reprodução)

Cosméticos e produtos de higiene veganos

Para ser considerado vegano, um cosmético ou produto de higiene não pode ter ingredientes de origem animal ou seus derivados, como mel, cera de abelha, colágeno, leite, lanolina, gordura bovina e tutano. Também não é permitido que tenha ter sido testado em animais.

Vale destacar que isso não tem nada a ver com ser orgânico ou natural. Um produto vegano pode ser completamente sintético.

Para ter certeza de que os batons lindos ou os sabonetes cheirosos que você tanto quer realmente são veganos, verifique se eles têm selos de certificação.

Algumas marcas veganas destas áreas no mercado brasileiro são Baims, Emile Vegan, Feito Brasil, Kat Von D, Multivegetal e Viventium.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s