5 livros para entender e aplicar a comunicação não-violenta com os filhos

Acostumadas a conversas sem ameaças e vergonha, as crianças ficam mais seguras e até com o vocabulário melhor.

Uma comunicação sem hierarquia, classificação ou rótulos que determinem o “lugar” de cada pessoa, com empatia e valores: esta é a proposta básica da comunicação não-violenta, um processo desenvolvido pelo psicólogo Marshall Bertram Rosenberg com o auxílio de um time internacional de especialistas.

Por meio da comunicação não-violenta, sentimentos são separados de opiniões, observações são colocadas sem juízo de valor, pedidos são feitos sem ameaças. Nada de medo, vergonha, acusações: a ideia é que as pessoas se relacionem e alcancem seus objetivos interpessoais com sinceridade, com a expressão dos sentimentos e o não-julgamento por quem os ouve.

“Quando os princípios da comunicação não-violenta são aplicados na criação dos filhos, temos crianças mais seguras para dizer o que sentem e o que querem, que se expressam melhor e até desenvolvem um bom vocabulário, porque não têm medo de errar ao falar alguma coisa. Estabelece-se um laço de amizade entre mães, pais e filhos. Todos ganham”, afirma a psicóloga Janice Alvez, facilitadora de comunicação não-violenta.

A seguir, com o auxílio da especialista, indicamos cinco livros que ajudam a entender melhor o que é a comunicação não-violenta e a aplicá-la no dia a dia.

“Comunicação Não-Violenta” – Marshall Rosenberg

Livro sobre comunicação não-violenta -- Comunicação Não-Violenta

 (Reprodução/Reprodução)

É o pontapé inicial para começar a estudar a comunicação não-violenta. A metodologia é apresentada e exemplificada em aplicações dos relacionamentos como um todo (não só de mães e/ou pais e filhos, mas também de colegas de trabalho, amigos e familiares). Tem histórias contadas pelo psicólogo relacionadas ao assunto e exercícios para que os conceitos sejam interiorizados.

“Criar Filhos Compassivamente” – Marshall Rosenberg 

Livro sobre comunicação não-violenta -- Criar Filhos Compassivamente

 (Reprodução/Reprodução)

Aqui, Marshall foca na comunicação não-violenta voltada para a educação das crianças mesmo, sugerindo estratégias de ação para mães, pais, cuidadores, professores e todos que lidem com os pequenos. Conexão empática, dinâmica de respeito, comunicação sincera são os conceitos que permeiam a mensagem do livro. A ideia é que os adultos sirvam como suportes para as crianças se expressem com clareza, resolvam seus conflitos internos e externos e mantenham a conexão com os valores que lhe são passados.

“Não Seja Bonzinho, Seja Real” – Kelly Bryson 

 

Livro sobre comunicação não-violenta -- Não Seja Bonzinho Seja Real

 (Reprodução/Reprodução)

Kelly Bryson fez parte da primeira geração de desenvolvimento da comunicação não-violenta, ao lado de Marshall Rosenberg, e aqui passa a sua abordagem pessoal do método. É um texto mais soltinho, divertido, contando histórias. Ótimo para quem gosta de ler e se imaginar trocando uma ideia com quem escreveu.

“The Surprising Purpose of Anger” – Marshall Rosenberg

Livro sobre comunicação não-violenta -- The Surprising Purpose of Anger

 (Reprodução/Reprodução)

Este livro só está disponível em inglês e vale muito a leitura! Trata-se de uma entrevista com Marshall, em formato de perguntas e respostas, em que ele fala sobre a importância da raiva. Sim, ele defende que a raiva é importante e que devemos, como adultos, acolher e lidar com esse sentimento das crianças, transformando-o em algo positivo.

“Tornar-se pessoa” – Carl Rogers 

Livro sobre comunicação não-violenta -- Tornar-se pessoa

 (Reprodução/Reprodução)

O trabalho de Carl Rogers é a raiz da comunicação não-violenta. Este livro, publicado em 1956, é uma das obras essenciais da psicologia humanista e fala sobre a pessoa como centro dos cuidados. Os pilares para isso são a congruência, a comunicação empática e a consideração positiva incondicional.

☆ Tudo sobre o misterioso signo de Escorpião ☆