As vacinas certas para cada idade

Não são apenas os bebês que precisam se cuidar. Siga o calendário oficial do Ministério da Saúde e deixe a família inteira protegida de doenças

Imprima esta página e não perca mais nenhuma vacina!
Foto: Getty Images

Já reparou que depois que crescemos passamos a nos preocupar cada vez menos com as vacinas? Isso é um perigo! Segundo Marcelo Simão Ferreira, presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia, “graças às vacinas, doenças como o sarampo praticamente sumiram no Brasil”. É por isso que, no final de agosto, o Ministério da Saúde lançou uma campanha de atualização da caderneta infantil, para as que crianças com menos de 5 anos de todo o país ficarem com as vacinas em dia. Mas não são apenas os pequenos que precisam tomá-las. Jovens, adultos e idosos também devem se preocupar com a imunização.

Bebês até 1 ano:

As vacinas certas para cada idade
As vacinas certas para cada idade

Crianças até 10 anos:

As vacinas certas para cada idade

Adolescentes:

As vacinas certas para cada idade

Adultos:

As vacinas certas para cada idade

Idosos:

As vacinas certas para cada idade

Dúvidas frequentes

· Eu preciso pagar para tomar alguma dessas vacinas das tabelas?

Não, as vacinas incluídas nos calendários de crianças, adolescentes, adultos e idosos do Ministério da Saúde são gratuitas.

· Minha caderneta está incompleta. Posso tomar todas as vacinas que faltam de uma vez só?

Sim. Segundo o Ministério da Saúde, as vacinas dos calendários oficiais podem ser administradas simultaneamente.

· As vacinas contra hepatite B aparecem em todas as tabelas. Preciso tomá-las várias vezes?

Não. Após administradas, não precisam ser tomadas novamente. Segundo Gilberto Turcato Jr., infectologista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, de São Paulo, “as três doses da vacina alcançam até 95% de eficácia para proteção e pode-se considerar que a imunidade dura a vida toda”.

· Preciso tomar vacina contra febre amarela só quando for ao exterior?

Não. Em viagens nacionais ela pode ser exigida. Veja onde ela é necessária no link: http://abr.io/34KH

Fonte: Ministério da Saúde