O lado bom dos conflitos familiares

Encarar uma discussão é o caminho mais fácil para crescer e viver melhor. Veja como fazer isso sem traumas

Trabalhe junto com o outro para encontrar uma solução em que os dois fiquem satisfeitos
Foto: Dreamstime

Por mais difíceis que sejam, conflitos familiares podem, sim, ser positivos. E encará-los de frente, sem rodeios, pode render resultados fantásticos. Siga os conselhos do psicólogo norte-americano Tim Ursiny, autor do livro Você Não Pode Evitar Todos os Conflitos (Ed. Saraiva). Depois, estufe o peito de orgulho por aprender a superar os mais variados obstáculos com sabedoria e serenidade. Quem não quer?

Prepare-se para agir de um jeito diferente

· Quando o incomodado é você

Assuma sua parcela de culpa: Reconheça que você contribuiu para o problema que está enfrentando.

Não aponte o dedo: Expresse os sentimentos com frases que começam com “eu”, em vez de “você”.

Foque no comportamento: Fale sobre o que outro fez, não sobre quem é.

Ouça o outro lado: Peça retorno sobre as atitudes que você tomou que contribuíram para o conflito.

Busque um consenso: Trabalhe junto com o outro para encontrar uma solução em que os dois fiquem satisfeitos.

Proponha uma trégua: Se a situação sair do controle, espere todo mundo se acalmar antes de retomar a conversa.

· Quando o outro quer discutir

Fale consigo mesma internamente: A estratégia acalma e ajuda a controlar as próprias reações enquanto o outro fala.

Concentre-se na compreensão: Tente entender o que ele está dizendo.

Tome cuidado com a linguagem corporal: Não adianta nada falar uma coisa e sinalizar outra com os gestos.

Mantenha o foco: Concentre-se no assunto principal e tente manter a conversa ou discussão por esse caminho.

Compartilhe e comente pensamentos e sentimentos: Assim, o outro sabe que você está ouvindo.

Discutam o passo seguinte: Ele pode ser um pedido de desculpas ou a vontade de ambos de chegar ao meio-termo.

· Quando não dá para conversar

Envie um e-mail a si mesma: Escreva tudo o que estiver entalado e releia com atenção.

Extravase as emoções com exercícios físicos: Vale caminhar, correr, levantar peso e até lutar boxe, por que não? O segredo é pensar que você está liberando a raiva ao queimar calorias, porque se recusa a cultivá-la.

Use técnicas de relaxamento: Coloque uma música suave, feche os olhos e estique bem o corpo para se tranquilizar. Respirar profundamente também ajuda a acalmar os ânimos.

Perdoe: Não é fácil, e no começo pode até soar falso, mas você se sentirá muito melhor. Experimente e comprove.