O seu animal se coça, morde ou lambe compulsivamente? Pode ser algo grave

Fique atento aos sinais que o seu amiguinho dá, alguns podem sugerir até mesmo problemas psicológicos.

Quem tem um bichinho sabe que eles exigem um cuidado todo especial, ainda mais se você é daquelas pessoas que sorriem só de vê-lo chegar com o rabinho que se movimenta tanto que mais parece hélice de helicóptero.

Amar os animais está além da preocupação em alimentar ou passear, mas também na atenção que precisamos ter com alguns sinais que, a princípio parecem inofensivos, mas podem significar problemas de saúde de ordem física e até psicológica. Você já reparou se seu doguinho ou gatíneo tem se coçado muito, lambido as patas até criar feridas ou tendo algum comportamento obsessivo?

Veja também

Pois é, pode ser sinal de que algo não vai bem. Para entendermos melhor o que os nossos amiguinhos estão tentando nos comunicar, conversamos com a veterinária Mariana Silva para nos ajudar a interpretar estes incômodos para os animais – e também para os tutores, que ficam bastante preocupados.

 (Little Brown Rabbit Photography/Getty Images)

Transtornos psicológicos e mentais

Não é só o ser humano que passa por problemas de ordem psicológica, não! Alguns animais não se acostumam tão facilmente com mudanças de casas, por exemplo, já outros sofreram com o abandono e adquiriram traumas difíceis de lidar. Assim como o tratamento humano é complexo, identificar as causas das ações que acometem os bichinhos também demanda paciência e dedicação para que ele se sinta melhor.

Conhecidas como estereotipias, as ações repentinas que levam o animal a fazer movimentos repetitivos podem estar relacionadas ao estresse vivido por eles em situações de maus tratos e até ansiedade. O animal pode desenvolver o quadro em qualquer fase da vida, como também podem indicar transtornos mentais agravados por momentos difíceis pelos quais eles presenciaram.

Se o seu bichinho mudou o comportamento e passa mais tempo isolado, sem querer brincar, deitado em algum canto específico e com modificações também na alimentação, é muito importante investigar todos esses sintomas. Alguns tratamentos podem levar um tempo para surtirem os primeiros efeitos e outros podem durar a vida toda.

 (Kiszon pascal/Getty Images)

Alergias

Alguns cachorros e gatos costumam coçar as orelhas e outras partes do corpo diariamente. Isso pode fazer com que a pele do animal seja danificada e que o processo de cicatrização não aconteça da maneira esperada. Um dos motivos para essa ação impulsiva pode ser algum problema dermatológico que o animal apresenta e que ainda não foi diagnosticado.

Você já viu algum bichinho com manchas vermelhas na pele e que perdeu pelo na região afetada? Uma das causas pode ser a dermatite úmida aguda, frequente nos quadris, cabeça e peito dos pets. Com a insistência em passar a língua e coçar a mesma região diversas vezes ao dia, as manchas avermelhadas na área irritada podem ficar maiores e virar feridas rapidamente.

Veja também

As alergias nos animais domesticados são comuns e podem acontecer por irritação a certos tipos de alimentos ou agentes presentes no ambiente, como poluição e poeira. Um médico veterinário costuma pedir exames laboratoriais para descartar ou indicar a alergia nos bichinhos. Não é recomendada a administração de medicamentos humanos nos pets, já que a formulação é diferente e a quantidade de medicamento pode causar intoxicação.

Pulgas e carrapatos

Com os passeios pela rua e ambientes externos à casa, os animais estão mais vulneráveis aos tais agentes biológicos encontrados nesse mundão. As patinhas que entram em contato direto com o solo e a pelagem facilitam com que parasitas grudem e não queiram mais sair, como é o caso de pulgas e carrapatos.

Comumente encontrados em pet shops, medicações via oral, spray para passar no pelo e soluções de contato direto com a derme ajudam a eliminar os parasitas, mas não significa que esteja tudo bem. É preciso observar por alguns dias a reação do animal, já que alguns bichinhos podem apresentar alergias ao medicamento. Existem também casos da doença do carrapato, que pode levar à morte do hospedeiro.

 (Carol Yepes/)

Sinais de dor

Ao perceber que o seu animal expressa dor ao mexer em determinada região do corpo, verifique se não existe algo preso na pele dele. Muitas vezes, eles ficam em agonia quando entra um espinho ou farpa nas patas. Mas atenção, cuidado ao manusear objetos para tentar retirar pequenos fragmentos do corpo deles, você pode introduzir ainda mais o que está preso, podendo ocasionar infecções e mais dor ao bichinho.

Veja também

É importante uma análise correta para descartar problemas mais sérios, como a presença de um tumor ou infecção local na área atingida. Alguns pets mordem as unhas, fazendo com que elas quebrem e percam sua proteção natural. Isso pode ocorrer devido ao corte inadequado delas e até mesmo estresse. O contato da saliva pode transmitir bactérias e causar um problema ainda maior, por isso, é bom ficar de olho para ver se esse comportamento é obsessivo ou algo passageiro.

 (PeopleImages/Getty Images)

Problemas hormonais e inflamatórios

Assim como as alergias, manchas vermelhas e outros sinais podem também sugerir desequilíbrio hormonal e processos inflamatórios, identificados por exames clínicos. Insuficiência na produção da tireoide, eliminação excessiva de cortisol pelo corpo e pancreatite são diagnósticos comuns (e considerados graves se não houver atendimento específico), que podem ser tratados com acompanhamento de exames de rotina e medicações. É preciso seguir com um tratamento, geralmente administrado durante as refeições.

Vale lembrar que é muito importante levar nossos animais ao veterinário com frequência, seja por questões habituais, como vacinação e exames de rotina, mas também quando verificar que algo está diferente com ele. Um especialista vai poder analisar com auxílio de exames e outros procedimentos o que os sintomas significam de verdade.

A importância de Mercúrio no seu Mapa Astral – escute já!