Sou uma psicóloga de cachorro

Aplico terapia para resolver problemas de comportamento. O mais difícil é modificar o dono

Sou uma psicóloga de cachorro

Já cuidei de um cachorro que precisou 
de antidepressivos
Foto: Ana Fassone

Volta e meia, quando falo da minha profissão, vem a piada: ”Você bate um papo com o cachorro?”. Outros confundem o que faço com adestramento. São coisas diferentes.

O foco do meu trabalho é, na verdade, a relação do bicho com o dono. Até porque, em 90% dos casos, a origem do problema do cachorro está nas atitudes de quem o educa – ou deseduca.

Há casos bem sérios

Falar em terapia com animais parece engraçado. Porém, não faltam histórias de esposas que ameaçam sair de casa se o marido não der um jeito no cachorro, ou de cães que latem tanto que os vizinhos pedem para a família se mudar. O bom comportamento do bicho tem influência direta na qualidade de vida dos donos.

Eu atendo uma média de 30 cães por mês e cobro R$ 200 por consulta. Gosto de observar o animal no ambiente dele. Reúno o maior número possível de pessoas que lidam com ele na casa para descobrir o porquê do comportamento problemático. Às vezes, uma sessão é o suficiente para resolver a queixa. Outras, marco encontros duas vezes por semana até o problema desaparecer.

Tem os hipersexuais

Boa parte dos casos que atendo são de hipersexualidade. São aqueles cães que pulam na perna da visita e agem como se estivessem cruzando. Na maior parte das vezes, esse comportamento nada tem a ver com falta de sexo. É apenas uma tentativa de chamar a atenção do dono. Como ele percebe que, ao fazer isso, se torna o centro das atenções, o cão repete mais vezes a cena desagradável. A família deve dar um comando ao animal e agradá-lo logo antes de a visita chegar.

Já peguei um são bernardo com desvio de temperamento. O cachorro pesava uns 80 quilos e era extremamente agressivo. Atacava até os donos. Neste caso, tive de recorrer a medicamentos e receitei antidepressivos para o cachorro.

Quem manda

Acredite, é simples cuidar do seu bichinho e manter uma relação realmente saudável com ele. Basta ter sempre em mente quem está no comando e quem é o animal de estimação.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s