Antonio Fagundes está com tudo!

Aos 60 anos, o ator assume o posto de galã da vez em "Tempos Modernos"

“Tempos Modernos é uma 
novela gostosa, divertida”
Foto: Rafael França

“Um homem íntegro, que não cede a propinas e que tem seus valores bem definidos”, foi assim que Antonio Fagundes definiu seu novo personagem, Leal Cordeiro, de Tempos Modernos. O ator dará vida ao empresário que tem três filhas e quatro netas. Mas aqueles que pensam que ele perdeu o posto de galã estão muito enganados.

Aos 60 anos, o ator mostra que charme e sedução ultrapassam idade. E se tratando de Fagundes, não poderia ser diferente. Na trama de Bosco Brasil, o veterano irá contracenar com Eliane Giardini, com quem viverá um tórrido romance marcado por muitas brigas. O trabalho atual é motivo de entusiasmo. “É uma equipe maravilhosa. Essa novela é muito gostosa. Isso só pode dar em bom resultado”, revelou o sedutor.

Na trama, ele também dividirá a cena com o computador Frank, que comanda o prédio Titã. A relação com a tecnologia estará presente em todo o folhetim e será um dos temas abordados pelo autor. “Ele sabe de tudo e de todos”, avisou Fagundes. Sobre a relação com esses modernos meios tecnológicos, ele diz que não é muito ligado. “Eu sou um analfabyte”, brincou. Confira o delicioso bate-papo com esse verdadeiro mito.

Como é o seu personagem?
Leal vem de origens humildes. Ele foi mestre de obras e trabalhou na construção de Brasília. Ele pegou na massa, como a gente brinca. Foi crescendo e enriquecendo. Sempre seguindo os padrões éticos e rígidos. É conhecido por nunca ter dado uma propina. Isso hoje em dia é algo raríssimo.

E ele colheu os frutos?
Ele construiu um império. Prova disso é o Titã I, que é um prédio monstruoso no centro de São Paulo e ele agora quer construir o Titã II. A novela começa a se desenvolver a partir daí. Ele tem três filhas muito engraçadas e quatro netas. São muitos frutos…

O que o motivou a aceitar o convite para a trama?
Primeiro, a equipe maravilhosa. Bosco, Zé Luiz (José Luiz Villamarin, diretor)… Eu já tinha visto várias peças do Bosco e ele é excepcional. E, segundo, esse elenco, que é extraordinário. Cerca de 90% é de teatro. É um grupo forte nesse sentido. E isso dá uma diferença. Você domina uma outra linguagem quando é formado no teatro. E é uma novela gostosa, divertida. Junta tudo isso dá um resultado bom.

E como será a relação de Leal e Hélia (Eliane Giardini)?
Ele é viúvo e teve um caso no passado com uma mulher misteriosa: a Hélia. Eles formarão um triângulo amoroso com Marcos Caruso.

Existe uma birra entre os dois?
O prédio inteiro é dele e Hélia tem o único apartamento que não pertence a ele. E isso vai dar muita dor de cabeça, muito pano pra manga…

Como será o relacionamento dele com as filhas?
É meio tumultuada. A filha que ele mais gosta apronta barbaridades com ele. E as outras duas são superinteresseiras. Elas querem o império que ele construiu. Será uma relação muito engraçada. Existe uma coisa de Rei Lear na história.

As outras filhas sabem dessa preferência dele pela Nelinha (Fernanda Vasconcellos)?
A preferência é completamente escancarada e as outras sabem, sim. Não gostam, claro. Mas sabem.

Existe a preferência de um filho em relação ao outro?
Eu acho que é diferente o que você sente por um e pelo outro. Não é que você goste mais. Depende do temperamento de cada um. Existe um mais aberto e outro mais fechado. Acho que é muito difícil um pai e uma mãe preferir mais um do que outro. Eu tenho quatro e não aconteceu comigo. É tudo igual.