Bruna Linzmeyer está namorando uma mulher. E daí?

O que deveria importar é a felicidade dela. Em vez disso, a atriz tem recebido uma chuva de comentários homofóbicos

Recentemente, a atriz Bruna Linzmeyer, 23 anos, contou à revista Serafina que estava namorando uma mulher. Até aí, nada demais: a declaração dela parece ter apenas refutado o fato de que teria voltado com Michel Melamed, o ex-namorado.

Depois da entrevista, o jornal EXTRA afirmou que seu relacionamento é com a cineasta Kity Féo – as duas trabalharam juntas no filme de Selton Mello e Kity, O Filme da Minha Vida. Afirma também que o relacionamento já dura um ano, esse tempo todo em segredo. Provavelmente por um bom motivo, certo?

View this post on Instagram

3 capricornianos e 1 Bruna Linzmeyer #ofilmedaminhavida

A post shared by bruna (@brunalinzmeyer) on

Assim que isso veio a público, Bruna e Kity receberam ameaças, comentários machistas, homofóbicos, agressivos e absolutamente absurdos em seus perfis no Instagram. Aparentemente, é da conta dos outros quem elas namoram ou deixam de namorar.

A sorte é que muitos dos fãs de ambas saíram em defesa delas, mandando os preconceituosos bem para longe (para não dizer outra coisa). E nem Kity nem Bruna se pronunciaram sobre o assunto. Não que elas precisassem ou devessem, claro.

View this post on Instagram

Outras cores são proibidas na Grécia

A post shared by bruna (@brunalinzmeyer) on

Além disso, quando afirmaram sobre o namoro das duas, a diferença de idade pareceu ser muito importante – como um quesito definitivo sobre as personalidades das moças. Fizeram questão de ressaltar que elas têm 24 anos de diferença: Kity tem 47 e Bruna 23. O irônico é que, quando ela estava com Michel Melamed, seu “namorido” , ninguém pareceu se importar com o fato de ela ter 18 e ele 35. Era só o caso de “gostar de alguém mais velho”, não é mesmo?

Que a Bruna namore a Kity. Que fique com o Michel. Que não queira estar com ninguém além dela mesma. Ou que queira estar com todo mundo. Só que, tanto Bruna quanto todas nós, possamos ser livres para amar como, quando, onde e quem quisermos.