“Chorão estava em um estágio que talvez nem a internação ajudasse”, diz fonte próxima à família

Depressão do cantor não teria sido causada pelo fim do casamento com Graziela Gonçalves

Chorão enfrentava um estágio de extrema melancolia antes da morte
Foto: Roberto Setton

O cantor Chorão, vocalista do Charlie Brown Jr., encontrado morto em seu apartamento na última quarta-feira (6), enfrentava um estágio de extrema melancolia e recaída no vício em cocaína, informou uma pessoa próxima à família do músico a Contigo! Online.

Ex-mulher de Chorão divulga carta em homenagem ao cantor: ”O que ficou está gravado para sempre no meu coração”

“Ele estava em um estágio que talvez nem a internação ajudasse. O vício é uma bola de neve e a pessoa tem poucos momentos de lucidez. Nos últimos meses ele estava muito paranoico, achava que tinha câmera filmando ele o tempo todo, estava muito complicado”.

Depois da morte de Chorão, a apresentadora Sônia Abrão, prima do cantor, afirmou que ele estava enfrentando uma forte depressão, supostamente causada pelo fim do casamento com a estilista Graziela Gonçalves. “A depressão não tinha nada a ver com a separação, foi uma informação irresponsável e falsa. Essa pessoa [Sônia] não tinha convivência com o casal, ela foi convidada para o casamento dos dois e levou uma equipe de TV, que foi barrada na porta”, disse a fonte.

A ex-mulher de Chorão fez tudo o que podia para livrar o músico das drogas, mas o cantor, de acordo com a fonte, acreditava que poderia se livrar do vício sozinho. “Aquilo estava destruindo a cabeça dele”.

As drogas e a recusa de Chorão em buscar tratamento foram as grandes responsáveis pelo fim do casamento. “Eles tinham uma relação de cumplicidade. Ele decidiu sair de casa porque sabia que ela ia ficar doente se as coisas continuassem daquele jeito”.

Há cerca de duas semanas, conta a fonte, Chorão e Graziela tiveram uma conversa “muito boa”, que a estilista acredita, agora, ter sido a forma encontrada por Chorão para se despedir.

A surpreendente morte do cantor caiu como uma bomba e chocou as pessoas que conviviam com ele. “A gente sabia que alguma coisa poderia acontecer, mas não queria acreditar. A família dele ainda está assimilando, foi tudo muito rápido, foi um tsunami. A mãe e os irmãos dele ainda não se deram conta e a Grazi oscila momentos de serenidade e muito choro”.