Dan Stulbach está mais emotivo com seu personagem em Queridos Amigos

Dan Stulbach sugeriu a história da 
minissérie para a autora 
Maria Adelaide Amaral
Foto: ZÉ PAULO CARDEAL / REDE GLOBO

Uma conversa informal entre a autora Maria Adelaide Amaral e o ator paulistano Dan Stulbach resultou na minissérie Queridos Amigos, primeiro trabalho da escritora baseado em uma obra original sua, o romance Aos Meus Amigos. Um dia eu estava na casa dela, por conta de um outro trabalho, quando a Maria Adelaide me disse que a Globo estava querendo que ela escrevesse uma minissérie, relembra.

Ela não sabia exatamente o que escrever, quando eu disse que, há algum tempo, tinha lido o livro dela e achado a história lindíssima. Dois dias depois, ela me ligou dizendo que não só havia aceitado a minha sugestão, como queria que eu fizesse o Léo, conta o ator de 38 anos, que, durante esta entrevista, fez diversas pausas, tomado pela emoção. “Sou extremamente emotivo. Esse trabalho está mexendo muito comigo”, confessou Dan.

Como é viver o Léo, um personagem cuja trama gira em torno dele?
Maravilhoso. É um prazer enorme trabalhar nesse projeto, um texto profundo que me permite exercitar meu interior. Para nós, atores, é uma satisfação imensa não fazer um trabalho superficial. Difícil mesmo é fazer bobagem, algo que não acrescenta.

Léo tem esclerose múltipla. Teve contato com pessoas que sofrem dessa doença?
Falei com algumas pessoas e todas disseram que o tratamento evoluiu muito. Mas o retrato da doença vem mais no final da minissérie. Já emagreci bastante, acho que uns 5 kg, para dar a fragilidade que o personagem vai precisar quando começar a ficar doente. Ele desiste de lutar contra a doença para fazer a vida valer a pena.

O que marcou você na década em que se passa a minissérie?
Várias coisas. Na década de 80, eu vivi a minha adolescência. Em 1989, entrei para a Escola de Artes Dramáticas da USP. Foram os anos que mais influenciaram a minha vida.

A relação de amizade que é retratada tem a ver com você?
Nesse sentido, sou um pouco Léo. Adoro ter os amigos em volta, ligo para os caras, a gente se encontra… É claro que, sendo ator, quando a galera saía para as baladas, eu estava ensaiando peças à noite. Com isso, acabei perdendo muitas relações pelo caminho. A minissérie me despertou a vontade de reencontrá- los. Quero fazer isso.

Algum amigo que você não via há muito tempo o procurou quando viu as chamadas da minissérie?
Teve um que me ligou dizendo que tinha ficado emocionado; outro, que estava muito orgulhoso de mim. Amigo é isso, né? Eles fazem parte da minha vida.

Como você vivenciou o momento político nos anos 80?
Fui ao meu primeiro comício político. Vivenciei pouco as Diretas Já!, porque eu era muito novo. Entendia o que era, mas não a dimensão do que aquele ato representava. Estudei no Colégio Rio Branco, em São Paulo, que por causa dos anos de ditadura não falava o que era democracia. Nunca me filiei a nenhum partido, mas jamais me esquecerei que o primeiro comício a que assisti foi do Lula, no Estádio do Pacaembu.

O que você destacaria nesta minissérie, comparando a outros trabalhos que já fez na TV?
Esse é um trabalho diferente, não é feito para ser popular. Não tem necessariamente as chaves de um folhetim. Tem relações profundas, há pessoas tristes, há um protagonista que está doente. É um trabalho feito para que as pessoas gostem, se emocionem, fiquem mexidas; não para ter audiência. Para mim, é isso que se aproxima da arte.

Você chorou no momento em que assistia a algumas cenas. Tem sido assim durante as gravações?
Direto. Sou um cara emotivo demais e muito tímido também. Por isso, fui fazer teatro. Estou a serviço do personagem, mas, através dele, digo muitas coisas nas quais acredito.

Como foi aprender a fazer mágica?
Sensacional! O mágico que me deu aula chama-se Fernando Ventura. Ele foi muito paciente comigo, me ensinou o jogo do olhar, que é muito importante. Foram dois meses de aulas, com truques do tipo tirar uma moeda de trás da orelha de uma pessoa, com cartas de baralho… A minissérie, aliás, começa com o Léo pegando um baralho e não conseguindo mais manejá-las. Esse é o primeiro sinal da doença dele. A mágica tem a ver com a personalidade do Léo. Isso o torna mais misterioso.

Quais são seus projetos depois da minissérie?
Quero muito voltar ao palco. Queridos Amigos, mais uma vez, me deu a certeza de que a pessoa precisa fazer aquilo em que acredita. Muitas vezes, você entra no projeto dos outros e não fica feliz. Também tenho o convite para fazer uma novela, mas não vou dizer qual é. Depois, não aceito e aí fica chato, né? (risos)

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s