Diane Keaton assume mania de reformar casas: ‘É uma doença mental’

Aos 68 anos, Diane Keaton ainda atua sorrindo muito, cativando, como em seu tempo de Noivo Neurótico, Noiva Nervosa. Agora, é em uma comédia romântica ao lado de Michael Douglas

Sua mania é reformar casas e elogiar jovens atrizes como Emma Stone
Foto: Alberto E. Rodriguez/Getty Images

Aos 68 anos de idade, Diane Keaton continua tão jovial quanto em seus primeiros filmes de sucesso, Sonhos de um Sedutor, de Woody Allen, 78, e O Poderoso Chefão, de Francis Ford Coppola, 75, ambos lançados em 1972. Basta olhar o sorriso: Annie Hall, de Noivo Neurótico, Noiva Nervosa (1977), vive na persona de Keaton. Com um currículo impressionante, a atriz foi convidada pelo Festival de Zurique para receber o prêmio Ícone de Ouro e aproveitou para exibir Um Amor de Vizinha, de Rob Reiner, 67, que estreia no Brasil nesta quinta-feira (9).

Na comédia, vive Leah, uma viúva e aspirante a cantora de bar que acaba ajudando seu vizinho ranzinza (Michael Douglas, 70) a cuidar da neta, Sarah (Sterling Jerins, 10). Aos poucos, ela percebe que Oren não é tão ruim assim. “Claro que acho possível se apaixonar em qualquer idade!”, disse numa entrevista à imprensa internacional durante o festival. Keaton também falou, brincalhona, sobre como foi beijar Michael Douglas: “Foi divertido! Sem dúvida eu gostei. E, sem dúvida, Michael é bom nisso. Parabéns, Michael!”

Não é só na carreira que sua ficha é extensa. A atriz conta entre seus namorados o cineasta Woody Allen, com quem fez filmes inesquecíveis, como Manhattan (1979), o ator Al Pacino, 74, que foi seu marido Michael Corleone na saga O Poderoso Chefão, e o ator e diretor Warren Beatty, 77, que a escalou para Reds. A californiana nunca trocou alianças e se tornou mãe aos 50, ao adotar Dexter, 18, e depois Duke, 13. Por causa dos filhos, ouve muita música pop: Beyoncé, 33, Rihanna, 26, Kanye West, 37. Passa seu tempo fotografando, marcando coisas na rede social Pinterest e comprando e reformando casas para vender. Seu estilo continua impecável. Na entrevista, apareceu de terno listrado cinza e branco, sapato de amarrar cinza com bolas brancas e adesivo xadrez nas unhas.

Você gosta de renovar casas, não?
Sim. É uma doença mental. Não posso parar de sonhar com a próxima. Estou fazendo uma e já pensando na próxima que vou reformar e vender.

Você sempre teve um estilo muito pessoal. Como o formou?
Tirei inspiração das ruas. As pessoas são muito estilosas. Estava em Toronto algumas semanas atrás e vi pessoas muito estilosas. Você só precisa andar por aí.

Há alguma atriz jovem que admire?
Sim, claro, muitas. Obviamente, Jennifer Lawrence, dã! Adoro a Emma Stone, ela é ótima. Amo Melissa McCarthy, Kristen Wiig e Amy Poehler, mas esta última não faz muitos filmes. Adoro essas atrizes de comédia.

E entre os homens?
Acho Leonardo DiCaprio um gênio. Realmente. Aquela cena em O Lobo de Wall Street em que ele está drogado é impossível de fazer.

Não ficou nervosa de cantar no filme?
Fiquei. Mas também foi empolgante. Eles queriam que a minha personagem fizesse tapeçaria, mas nem sei o que é isso! Eu sugeri que ela tivesse o sonho de cantar na noite. Eu amo cantar, embora não seja cantora.

Você fez Hair, no teatro, mas não quis ficar nua.
Não quis. Não valia a pena. O que ia fazer, ficar lá, nua? Não achei divertido, então não fiz. Só fiz quando achei que era apropriado, no filme da Nancy (Meyers), Alguém Tem Que Ceder, em 2003. Era uma piada, então foi divertido.

Confira a história de Um Amor de Vizinha e outras estreias da semana.

Diane Keaton assume mania de reformar casas: 'É uma doença mental'

“Tirei inspiração das ruas. As pessoas são muito estilosas”
Foto: Theo Wargo/NBC/Getty Images for ‘The Tonight Show Starring Jimmy Fallon