“Eu assumo minhas rugas, deixo elas aqui”

De volta às novelas, Débora Bloch fala sobre maturidade e dilemas da vida moderna

Em Sete Vidas, nova trama das 18h, Débora Bloch interpreta a jornalista Lígia, que engravida pela primeira vez depois dos 40. Sabe aquelas mulheres que passam a vida se dedicando à carreira e deixam de lado a maternidade? É o caso da personagem e de muita gente de carne e osso. “A minha irmã engravidou espontaneamente aos 46, foi uma surpresa. Acontece muito”, conta a atriz, que causou polêmica recentemente ao declarar ter feito um aborto aos 20 anos. “Fico surpresa que um país governado por uma mulher não tenha o aborto legalizado, com tantas pessoas morrendo por optar pelo clandestino”, diz. Débora tem dois filhos: Julia, 21 anos, e Hugo, 16, frutos do relacionamento com o francês Olivier Anquier. E ela quer ter netos!

Você ficou surpresa com a repercussão de sua declaração a favor da legalização do aborto?

Sim. Eu acho estranho que a gente esteja em 2015 e o aborto ainda não seja legalizado no Brasil. É uma hipocrisia, porque as mulheres morrem e se arriscam fazendo abortos clandestinos em clínicas horríveis. Logo no Brasil, um país que hoje é governado por uma mulher. Como ainda não se resolveu isso, a gente fica fingindo que nada acontece. 

Claro que ninguém é a favor do aborto. Eu sou a favor de que ele seja legalizado. É um atraso que não seja.

Lígia sempre se dedicou à carreira e deixou o amor em segundo plano. Você se identifica com esse perfil?

Sim. A novela fala dessa geração, de mulheres contemporâneas que se dedicaram à vida profissional e deixaram de lado a familiar. Eu engravidei aos 30 anos, já a minha mãe engravidou aos 20. E essa nova geração deixa para depois dos 30, quase 40 anos.

Você arriscaria engravidar com essa idade, como ela?

Não penso nisso porque já tenho meus filhos e, quando engravidei deles, já tinha minha carreira, a vida profissional estabilizada. Estava a fim daquilo, não estava dividida. Hoje não é mais uma questão.

E ser avó? Já pensou nisso?

Ser avó, eu pretendo. Não agora, porque Julia é nova [ela tem 21 anos], está cedo.

E como vê a ideia de ter filhos por inseminação artificial? Você faria?

É preciso debater, por isso é interessante que a novela toque nesse tema, tão atual, complexo e muito pouco discutido. É um assunto novo para muita gente. Ao mesmo tempo, é real, não uma ficção. E ainda não vimos esse tema aparecer em novela. Não pensei se eu faria isso… Mas acho que sim. São as novas famílias.

Você declarou que não tem namorado há dois anos. Sente falta de estar com alguém?

Estou bem solteira. Mas eu gosto de ficar com meus amigos, não sozinha.

Sua personagem se apaixona por Miguel (Domingos Montagner), um homem distante e solitário. E depois acaba ficando com Vicente (Angelo Antonio), o oposto disso. Qual o charme de cada um deles?

O Miguel é aquele homem que não consegue criar um elo, se ligar a Lígia na mesma intensidade e por isso vai embora. Aí entra em cena o Vicente, aquele homem que não existe [risos]: bom pai, bom marido, companheiro, que está sempre lá. É a história do cara ideal contra aquele com quem a Lígia tem uma história mal resolvida. É algo que pode acontecer com todo mundo.

Você é elogiada por ter uma beleza natural. Onde acha que acertou?

Eu assumo minhas rugas, deixo elas aqui [risos]. Vou ao dermatologista e faço todos esses tratamentos modernos, como laser, e passo os cremes que ele me indica. Meu cuidado com o sol é maior hoje. Na minha adolescência, tinha muitas sardas, mas a gente passava até óleo de urucum para se bronzear! Essa coisa de usar filtro solar não existia naquela época.

Como faz para manter a boa forma?

Procuro comer pouco, mas de tudo. No dia a dia, não bebo refrigerante, não como fritura nem doce. Lógico que, quando estou em uma festa ou ocasião especial, eu escapo da dieta ali ou aqui. Gosto de fazer exercícios também, corro na esteira, pratico musculação e pilates.

Confira alguns momentos da carreira e vida pessoal da atriz de 51 anos: