Famosas apoiam vítimas que foram abusadas sexualmente por João de Deus

Camila Pitanga, Nanda Costa e Leandra Leal são alguns dos nomes que surgiram em apoio às mulheres abusadas.

Após quatro mulheres revelarem sofrer abuso sexual pelo médium João de Deus, algumas famosas começaram a usar suas redes sociais para falar sobre o assunto e dar suporte às vítimas.

Bruna Linzmeyer publicou no seu Instagram uma foto do suposto curador espiritual e falou abertamente sobre o fato de ainda culparem as vítimas pelos abusos. “Até hoje, 330 mulheres se uniram para denunciar o mesmo homem. Por assédio, estupro, pedofilia, incesto praticados há décadas. Décadas em que cada uma delas silenciou, foi desacreditada ou ameaçada de morte. Estas 330 mulheres não são loucas, mentirosas, invejosas. Elas são vítimas”, escreveu a atriz.

Outro nome também conhecido e que usou sua influência digital para trazer visibilidade para o caso foi Fernanda Lima. A apresentadora usou a foto com a frase “Ninguém solta a mão de ninguém”, que surgiu após a eleição de Jair Bolsonaro e representa resistência.

Ela também aproveitou a legenda do clique para afirmar os princípios de sororidade – o ato de uma mulher apoiar suas semelhantes – e retomou o que disse no palco do programa “Amor & Sexo” recentemente. “Por isso, precisamos segurar a mão uma das outras e nos apoiar. Juntas, vamos denunciar, exigir justiça e assim sabotar as engrenagens do sistema de opressão machista e misógino”, afirmou. 

Com a popularidade do caso, mais celebridades separaram um espaço no feed do Instagram para se posicionar claramente sobre o assunto. Veja quais foram elas:

Oprah Winfrey

Xuxa Meneghel

Camila Pitanga

Débora Nascimento

View this post on Instagram

∘ Quando uma pessoa busca um cuidado espiritual e confia numa determinada pessoa ou instituição religiosa e a liderança espiritual abusa de sua fé, da vulnerabilidade de pessoas que muitas vezes estão passando por momentos muito delicados na vida, é muito grave. E quando além da manipulação de mentes através de crenças, acontecem abusos sexuais é ainda mais grave. Toda minha solidariedade às mulheres que superaram o medo, a vergonha e a dor e denunciaram quem as agrediu. Não toleramos mais essa cultura do assédio, do estupro, do abuso e violência sexual. Não nos calaremos mais. E nenhuma de nós ficará sozinha. Basta de violência. Vamos falar. Vamos gritar. Vamos nos expressar. Nossos corpos, nosso sagrado, nossas regras. Ninguém solta a mão de ninguém. #ChegaDeAbuso #ninguemsoltaamãodeninguem #mexeucomumamexeucomtodas Sempre vale a pena estar do lado da justiça, da empatia e do amor. #Deusnocomando #amem #namaste #axe Que nada abale nossa fé!

A post shared by Débora Nascimento (@debranascimento) on

Bruna Linzmeyer

View this post on Instagram

A maior quebra de silêncio da história. Até hoje, 330 mulheres se uniram para denunciar o mesmo homem. Por assédio, estupro, pedofilia, incesto praticados há décadas. Décadas em que cada uma delas silenciou, foi desacreditada ou ameaçada de morte. Estas 330 mulheres não são loucas, mentirosas, invejosas. Elas são vítimas. Vítimas de um homem poderoso que usa Deus como sobrenome. Elas são vítimas de séculos de silenciamento. Mas o tempo das mulheres chegou. Empoderadas por todas as denúncias que vieram antes, no Brasil e no mundo, elas decidiram se unir e falar. É hora de investigar e punir quem tiver que ser punido. É hora de justiça. Parabéns pela coragem de todas as mulheres envolvidas nesta histórica quebra de silêncio. Nós estamos com vocês. #ChegaDeAbuso #NinguemSoltaAMãoDeNinguem #MexeuComUmaMexeuComTodas #XotaPower 📷 Daniel Marenco

A post shared by bruna linzmeyer (@brunalinzmeyer) on

Kéfera Buchmann

Nanda Costa

View this post on Instagram

A maior quebra de silêncio da história. Até hoje, 330 mulheres se uniram para denunciar o mesmo homem. Por assédio, estupro, pedofilia, incesto praticados há décadas. Décadas em que cada uma delas silenciou, foi desacreditada ou ameaçada de morte. Estas 330 mulheres não são loucas, mentirosas, invejosas. Elas são vítimas. Vítimas de um homem poderoso que usa Deus como sobrenome. Elas são vítimas de séculos de silenciamento. Mas o tempo das mulheres chegou. Empoderadas por todas as denúncias que vieram antes, no Brasil e no mundo, elas decidiram se unir e falar. É hora de investigar e punir quem tiver que ser punido. É hora de justiça. Parabéns pela coragem de todas as mulheres envolvidas nesta histórica quebra de silêncio. Nós estamos com vocês. #ChegaDeAbuso #ninguemsoltaamãodeninguem #mexeucomumamexeucomtodas #xotapower 📷 Daniel Marenco

A post shared by Nanda Costa (@nandacosta) on

Leandra Leal

View this post on Instagram

A maior quebra de silêncio da história. Até hoje, 330 mulheres se uniram para denunciar o mesmo homem. Por assédio, estupro, pedofilia, incesto praticados há décadas. Décadas em que cada uma delas silenciou, foi desacreditada ou ameaçada de morte. Estas 330 mulheres não são loucas, mentirosas, invejosas. Elas são vítimas. Vítimas de um homem poderoso que usa Deus como sobrenome. Elas são vítimas de séculos de silenciamento. Mas o tempo das mulheres chegou. Empoderadas por todas as denúncias que vieram antes, no Brasil e no mundo, elas decidiram se unir e falar. É hora de investigar e punir quem tiver que ser punido. É hora de justiça. Parabéns pela coragem de todas as mulheres envolvidas nesta histórica quebra de silêncio. Nós estamos com vocês. #ChegaDeAbuso #ninguemsoltaamãodeninguem #mexeucomumamexeucomtodas #xotapower 📷 Daniel Marenco

A post shared by Leandra Leal (@leandraleal) on

Alessandra Negrini

Débora Falabella

View this post on Instagram

A maior quebra de silêncio da história. Até hoje, 330 mulheres se uniram para denunciar o mesmo homem. Por assédio, estupro, pedofilia, incesto praticados há décadas. Décadas em que cada uma delas silenciou, foi desacreditada ou ameaçada de morte. Estas 330 mulheres não são loucas, mentirosas, invejosas. Elas são vítimas. Vítimas de um homem poderoso que usa Deus como sobrenome. Elas são vítimas de séculos de silenciamento. Mas o tempo das mulheres chegou. Empoderadas por todas as denúncias que vieram antes, no Brasil e no mundo, elas decidiram se unir e falar. É hora de investigar e punir quem tiver que ser punido. É hora de justiça. Parabéns pela coragem de todas as mulheres envolvidas nesta histórica quebra de silêncio. Nós estamos com vocês. #ChegaDeAbuso #ninguemsoltaamãodeninguem #mexeucomumamexeucomtodas #xotapower 📷 Daniel Marenco

A post shared by Débora Falabella (@deborafalabellaoficial) on

Nathália Dill

View this post on Instagram

Apaguei o post anterior pq essa ação está mais conjunta. Me desculpem pelos comentários de apoio que se foram ————————————————————————-A maior quebra de silêncio da história. Até hoje, 330 mulheres se uniram para denunciar o mesmo homem. Por assédio, estupro, pedofilia, incesto praticados há décadas. Décadas em que cada uma delas silenciou, foi desacreditada ou ameaçada de morte. Estas 330 mulheres não são loucas, mentirosas, invejosas. Elas são vítimas. Vítimas de um homem poderoso que usa Deus como sobrenome. Elas são vítimas de séculos de silenciamento. Mas o tempo das mulheres chegou. Empoderadas por todas as denúncias que vieram antes, no Brasil e no mundo, elas decidiram se unir e falar. É hora de investigar e punir quem tiver que ser punido. É hora de justiça. Parabéns pela coragem de todas as mulheres envolvidas nesta histórica quebra de silêncio. Nós estamos com vocês. #ChegaDeAbuso #ninguemsoltaamãodeninguem #mexeucomumamexeucomtodas #xotapower 📷 Daniel Marenco

A post shared by Nathalia Dill (@nathaliadill) on

Maria Ribeiro

View this post on Instagram

Um homem que se auto proclama “de Deus” é acusado de abuso sexual por mais de duzentas mulheres. O atual/futuro/deprimente presidente do Brasil foi eleito mesmo tendo em sua biografia o fato de ter dito à uma parlamentar que ela não “merecia” ser estuprada. O governador do Rio de Janeiro foi escolhido pela maioria do estado apesar de estar em uma foto comemorando a quebra de uma placa que homenageava Marielle Franco, vereadora brutalmente executada em março desse ano. Mais do que nunca, ninguém solta a mão de ninguém. Precisamos ser muitas – e fortes – pra apoiar cada mulher vítima do machismo, da violência, do patriarcado. E precisamos ser grandes, pra – quando possível – explicar pros caras que o mundo mudou. Que a gente merece respeito. Que filho não é dever – apesar do imenso prazer – somente “de mãe”. Que nenhum homem é maior ou mais importante que nenhuma mulher – não interessa o cargo, a grana, a relação de poder. Minha solidariedade imensa às minas que tiveram coragem de contar suas historias essa semana. Vocês não estão sozinhas. #mexeucomumamexeucomtodas

A post shared by Maria Ribeiro (@mariaaribeiro) on

Marina Moschen

View this post on Instagram

A maior quebra de silêncio da história. Até hoje, 330 mulheres se uniram para denunciar o mesmo homem. Por assédio, estupro, pedofilia, incesto praticados há décadas. Décadas em que cada uma delas silenciou, foi desacreditada ou ameaçada de morte. Estas 330 mulheres não são loucas, mentirosas, invejosas. Elas são vítimas. Vítimas de um homem poderoso que usa Deus como sobrenome. Elas são vítimas de séculos de silenciamento. Mas o tempo das mulheres chegou. Empoderadas por todas as denúncias que vieram antes, no Brasil e no mundo, elas decidiram se unir e falar. É hora de investigar e punir quem tiver que ser punido. É hora de justiça. Parabéns pela coragem de todas as mulheres envolvidas nesta histórica quebra de silêncio. Nós estamos com vocês. #ChegaDeAbuso #ninguemsoltaamãodeninguem #mexeucomumamexeucomtodas #xotapower 📷 Daniel Marenco

A post shared by Marina Moschen (@marinamoschen) on

Maria Casadevall

Alice Wegmann

View this post on Instagram

A maior quebra de silêncio da história. Até hoje, 330 mulheres se uniram para denunciar o mesmo homem. Por assédio, estupro, pedofilia, incesto praticados há décadas. Décadas em que cada uma delas silenciou, foi desacreditada ou ameaçada de morte. Estas 330 mulheres não são loucas, mentirosas, invejosas. Elas são vítimas. Vítimas de um homem poderoso que usa Deus como sobrenome. Elas são vítimas de séculos de silenciamento. Mas o tempo das mulheres chegou. Empoderadas por todas as denúncias que vieram antes, no Brasil e no mundo, elas decidiram se unir e falar. É hora de investigar e punir quem tiver que ser punido. É hora de justiça. Parabéns pela coragem de todas as mulheres envolvidas nesta histórica quebra de silêncio. Nós estamos com vocês. #ChegaDeAbuso #ninguemsoltaamãodeninguem #mexeucomumamexeucomtodas #xotapower 📷 Daniel Marenco

A post shared by Alice Wegmann (@alice.weg) on

Letícia Colin

View this post on Instagram

A maior quebra de silêncio da história. Até hoje, 330 mulheres se uniram para denunciar o mesmo homem. Por assédio, estupro, pedofilia, incesto praticados há décadas. Décadas em que cada uma delas silenciou, foi desacreditada ou ameaçada de morte. Estas 330 mulheres não são loucas, mentirosas, invejosas. Elas são vítimas. Vítimas de um homem poderoso que usa Deus como sobrenome. Elas são vítimas de séculos de silenciamento. Mas o tempo das mulheres chegou. Empoderadas por todas as denúncias que vieram antes, no Brasil e no mundo, elas decidiram se unir e falar. É hora de investigar e punir quem tiver que ser punido. É hora de justiça. Parabéns pela coragem de todas as mulheres envolvidas nesta histórica quebra de silêncio. Nós estamos com vocês. #ChegaDeAbuso #ninguemsoltaamãodeninguem #mexeucomumamexeucomtodas #xotapower Vivemos agora um caminho positivamente sem volta: o caminho de fala, de coragem, de direitos… de não estar sozinha. É assim o começo de uma nova era que deixaremos para nossas irmãs. E que sejam então abolidas e inadmissíveis, num futuro próximo, quaisquer relações abusivas, estejam elas interligadas a matrimônio, religião… não importa. O abuso acabou. . . *Ligue 180 para denunciar abusos contra a mulher Conheça https://www.mapadoacolhimento.org/ para ser ajudada e/ou ajudar

A post shared by Leticia Colin (@leticiacolin) on

Cláudia Abreu

View this post on Instagram

Nem sei por onde começar. Sempre fui arredia às redes sociais, não tenho o hábito de postar muito sobre a minha vida cotidiana, nem de me posicionar sobre tudo a todo momento. Mas não posso deixar de falar sobre assédio. Demorei um tempo pra digerir a decepção que tive com João de Deus. Fui à Abadiânia duas vezes, fui bem recebida por ele, por sua família e sua equipe. Nunca fui totalmente crédula, mas como presenciei cirurgias feitas diante de todos, com cortes feitos na hora e sem dor, foi difícil não acreditar em algum poder mediúnico. Mesmo assim, é preciso estar sempre alerta aos sinais da sua intuição. Pessoas famosas eram sempre chamadas pra segurar os instrumentos das cirurgias diante de uma multidão. Fui convidada duas vezes e fui contrariada, pois era delicado dizer não. Lá ficávamos todos vulneráveis. Ao mesmo tempo, isso me obrigava a legitimar alguém que eu mal conhecia. Refletindo sobre esse meu desconforto, pensei nas inúmeras mulheres fragilizadas que foram convidadas a ir pra uma sala fechada e também foram obrigadas a fazer algo que não queriam. Levei minha filha, então com treze anos, e não me canso de pensar que poderíamos ter sido vítimas também, caso eu não fosse conhecida. Isso me estarreceu. Porque isso toca num lugar muito mais profundo, que é a descrença no ser humano, na bondade, na caridade. Muito triste.

A post shared by Cláudia Abreu (@claudiaabreu_atriz) on

☆ Descubra o significado de MARTE no seu Mapa Astral ☆