Inezita Barroso morre aos 90 anos

O velório está acontecendo desde as 7h30 da manhã desta segunda-feira (9) na Assembleia Legislativa de São Paulo

Morreu, na noite deste domingo (8), a cantora Inezita Barroso, apresentadora do Viola, Minha Viola, da TV Cultura, e reconhecida como a grande dama da música caipira. Ela teve insuficiência respiratória aguda, o que a levou ao óbito por volta das 22h.

Internada desde o dia 19 de fevereiro, no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, Inezita havia completado 90 anos no último dia 4 de março. Seu corpo está sendo velado, desde as 7h30 da manhã desta segunda-feira (9), na Assembleia Legislativa de São Paulo. Depois de o espaço ficar reservado para a família, durante cerca de 30 minutos, o local foi aberto ao público, que presta a sua última homenagem à estrela. O enterro acontecerá às 17h, no cemitério Gethsêmani, no bairro do Morumbi, também na capital paulista.

Arquivo Pessoal Arquivo Pessoal

Arquivo Pessoal (/)

Nascida em 4 de março de 1925, na Barra Funda, em São Paulo, Ignez Magdalena Aranha de Lima tornou-se Inezita Barroso somente aos 25 anos, quando uniu o seu apelido de infância ao sobrenome do marido, o advogado cearense Adolfo Cabral Barroso. Além de cantora, também foi instrumentista, folclorista, atriz e professora. Sendo a primeira mulher a gravar uma moda de viola, Inezita chegou a produzir cerca de 100 álbuns musicais e eternizou sua voz com grandes sucessos, como Marvada Pinga Meu Limão, Meu Limoeiro. Em novembro de 2014, foi eleita para ocupar uma das cadeiras na Academia Paulista de Letras.

Inezita deixa uma filha, Marta Barroso, três netas e cinco bisnetos.