Renata Vasconcellos dá boa resposta a Bolsonaro sobre igualdade salarial

A jornalista não titubeou ao explicar para Jair Bolsonaro que o salário que ela recebe não diz respeito a ninguém - mas que ela exige direitos iguais.

O Jornal Nacional, principal noticiário da Rede Globo, está dedicando a semana às entrevistas com quatro dos 13 candidatos à corrida presidencial nas eleições 2018. Na segunda (27) o candidato Ciro Gomes (PDT) foi o entrevistado. Na terça (28) foi a vez de Jair Bolsonaro (PSL). O que chamou a atenção das redes sociais, na segunda sabatina, foi a discussão entre Bolsonaro e Renata Vasconcellos sobre igualdade salarial entre homens e mulheres.

Jair Bolsonaro já se posicionou publicamente contra a intervenção do Estado na questão da equidade salarial entre homens e mulheres. Questionado mais uma vez, Bolsonaro quis provar seu ponto usando como exemplo os dois jornalistas que estavam na bancada do Jornal Nacional: Renata Vasconcellos e William Bonner. Quando o candidato começou a comparar os dois, expondo o fato de que Bonner ganha mais do que Vasconcellos, a jornalista fez questão de responder.

Eu poderia como cidadã, e como qualquer cidadão brasileiro, fazer questionamentos sobre os seus proventos porque o senhor é um funcionário público, deputado há 27 anos, e eu, como contribuinte ajudo a pagar o seu salário. O meu salário não diz respeito a ninguém. E eu posso garantir ao senhor, como mulher, que eu jamais aceitaria receber um salário menor de um homem que exercesse as mesmas funções e atribuições que eu”.

Atualmente William Bonner acumula as funções de apresentador do Jornal Nacional e de editor-chefe, mais alto cargo dentro da hierarquia do noticiário. Já Renata Vasconcellos é editora-executiva e apresentadora. Isso faz com que os dois claramente não exerçam a mesma função, o que justifica uma diferença salarial justa.

No Twitter, as reações foram de apoio à jornalista, que foi muito elogiada por defender seu ponto de vista sem titubear.

Na quarta-feira (29) o Jornal Nacional entrevista Geraldo Alckmin (PSDB), e na quinta-feira (30), Marina Silva (Rede). A ordem das entrevistas foi definida por meio de sorteio.