Letícia Spiller: “Quero ter mais um filho, colocar gente boa no mundo!”

A atriz que vive a Soraya, em 'I Love Paraisópolis', fala da novela, de família e beleza

Loiríssima, linda e má… A vilã Soraya, de I Love Paraisópolis, até divide a mesma cor de cabelo com sua intérprete, a belíssima Letícia Spiller. Mas, diferentemente da intérprete, a bruxa tem alguns – para não dizer muitos! – parafusos a menos. Até por isso a atriz se diverte nas gravações com os impropérios da megera, uma ricaça paulistana, criada pelos autores Alcides Nogueira e Mário Teixeira para ela.

A novela é o quinto trabalho seguido da estrela, que atuou em Malhação (2011), Salve Jorge (2012), Joia Rara (2013) e Boogie Oogie (2014). E ela mostra que, aos 41 anos, tem cada vez mais fôlego. “Adoro novela, mas quem sabe no futuro eu não faça mais séries?”, disse a artista, que começou aos 16 anos, como a paquita Pituxa Pastel, no Xou da Xuxa, em 1989.

Letícia também se desdobra nas telonas. Em O Casamento de Gorete (2014), aliás, contracenou com o filho, Pedro, 17 anos, fruto de seu casamento com Marcello Novaes. A loira ainda é mãe de Stella, 4 anos, de sua atual união com o diretor de fotografia Lucas Loureiro, com quem está há cinco anos.

Em nosso bate-papo, Letícia abre o jogo sobre a família e conta seu segredo para chegar aos 40 estonteante!

De onde vem todo esse ódio de Soraya por Paraisópolis? Por que ela é assim?
Ela quer que a favela saia dali, é uma loucura da cabeça dela. Quando Soraya foi morar no Morumbi, a comunidade praticamente não existia. Foi o avô dela que construiu aquele prédio, então ela viu o patrimônio da família se desvalorizar e foi alimentando um preconceito contra os vizinhos. Ela é muito egoísta.

Onde buscou referências para viver essa vilã?
A história tem um quê de Shakespeare, como o fato de ela ter se casado com o cunhado, assim como acontece na história de Hamlet, na qual o tio se casa com a mãe dele, após matar o pai. Há também um pouco de tragédia grega, de Medeia (que por ciúme e para se vingar do marido que a traiu mata os filhos) e de Jocasta (que se apaixona pelo próprio herdeiro).

TV Globo/Divulgação TV Globo/Divulgação

TV Globo/Divulgação (/)

Ela é meio amoral?
A Soraya existe no limite entre o bem e o mal. Mas a comédia suaviza um pouco isso, torna tudo muito leve. Se você olhar, a história seria trágica se não fosse cômica. Ela é uma patricinha sem escrúpulos que não mede esforços para conseguir o que quer.

A relação dela com Benjamin (Maurício Destri) é estranha. Os dois não parecem mãe e filho. O que acha disso?
Ela tenta fazer de tudo por aquele filho, mas é como se ele fosse um irmão. Ela o teve com 16 anos. Fora que essa mulher tem uma libido meio louca, é hiperativa, uma pessoa que toma muito remédio. E o Ben é o filho mais velho, o arquiteto renomado que vai dar continuidade ao patrimônio da família. Ela o ama, mas passa por cima da ética fácil, sua índole é meio confusa.

E o que ela fará ao descobrir que Ben está louco por uma menina de Paraisópolis?
Quando isso acontecer, não dá nem pra pensar do que ela será capaz (risos). Soube que até pisar na comunidade para acabar com a raça da Mari (Bruna Marquezine) ela vai!

E como vê isso de o papel ter sido escrito para você?
Olha, foi uma maravilha descobrir isso e, aí, como é que eu poderia dizer não? Eu tinha que ser a Soraya! O texto do Alcides é maravilhoso, diz tudo. Assim fica fácil embarcar nessa pedreira que é dar vida a uma vilã.

Está curtindo voltar a fazer o tipo má?
As vilãs são sempre instigantes. Dá muito trabalho, mas também é mais divertido. Soraya vai causar durante a novela inteira. Ela fala absurdos como se fossem as coisas mais cotidianas e naturais.

Você está emendando uma trama na outra (em Boogie Oogie interpretou Gilda). É workaholic?
Gosto de estar realizada, sim, mas se não tiver tempo para ficar com a família, eu piro. Preciso desse tempinho para eles. Mas como negar um convite do Wolf Maya (diretor de núcleo)? Adoro trabalhar com ele, que dirige muito bem. E, além disso, a personagem é uma delícia!

TV Globo/Divulgação TV Globo/Divulgação

TV Globo/Divulgação (/)

Aos 41 anos, você continua deslumbrante. Isso a envaidece?
Eu sei que é uma boa fase e espero que dure bastante tempo. Os elogios me deixam feliz, claro, mas trabalho para que minha beleza maior seja sempre a interior.

Qual seu maior defeito em termos físicos?
Eu já tive dois filhos, tem uma pelinha sobrando aqui, outra ali. Não tenho a barriguinha chapada.

E posaria nua se fosse convidada?
Não sou a favor desse tipo de foto, acho machista. Mas, se me oferecessem muito dinheiro, uma quantia que valesse a pena, eu avaliaria.

Qual é sua rotina de beleza?
Tenho alguns cuidados diários. Faço academia, mas não sou fissurada. Um amigo me disse que é bom fazer musculação depois dos 30 para manter o tônus, a estrutura para quando for mais velha. Até faço uma coisa ou outra. E também trato a pele com um peeling ou coisa assim para dar uma renovada. E tenho uma alimentação regrada.

E o que a faz largar a dieta?
Como qualquer mulher, de vez em quando, na TPM, ataco os doces. Adoro pudim de leite! Tenho intolerância à proteína desse tipo, mas como, sem exageros. É importante estar em equilíbrio para o bem-estar.

AgNews AgNews

AgNews (/)

Seu filho, Pedro, é muito assediado? E você é uma sogra a la Soraya?
Pedro virou homem! Sou tranquila, mas ele ainda não está muito animado para isso. Não quer compromisso cedo. Ele não é bobo (risos).

Como é com Stella? Para você é muito diferente criar menino e menina?
Olha, tive muita energia para cuidar de um moleque. Até surfar, eu surfei! E, hoje, com Stella, brinco de boneca e conto histórias. É mais lúdico. Sou mãezona apaixonada!

Pensa em aumentar a família logo?
Estou estudando essa possibilidade com bastante carinho ultimamente. Quero ter mais um filho, colocar gente boa no mundo! Darei conta de criar bem mais um.