Maju Coutinho traduz a dor de quem já perdeu um pet: “A alma se partiu”

A jornalista do Jornal Nacional se despediu da cachorrinha Lola, que teve um infarto.

Quem perdeu um pet sabe o quanto é difícil lidar com o luto. Maju Coutinho postou um emocionante relato, na noite de segunda (8), contando que sua cachorrinha Lola morreu. “Pisei no Brasil, recebi a notícia e todos os clichês se materializaram em mim: o peito apertou, a lágrima jorrou, a alma se partiu”, escreveu no Instagram e recebeu o apoio dos seus mais de 1 milhão de seguidores. 

View this post on Instagram

A adorável e cruel Vida. A adorável Vida me proporcionou algo único : acompanhar um eclipse total do Sol,no melhor lugar do mundo, e poder contar essa experiência para milhões de brasileiros. A cruel Vida entregou minha Lola para morte. Na madrugada em que eu voltava do Chile, Lola infartava. Pisei no Brasil, recebi a notícia e todos os clichês se materializaram em mim: o peito apertou, a lágrima jorrou, a alma se partiu. Mas “mesmo quando tudo pede um pouco mais de calma, até quando o corpo pede um pouco mais de alma, a vida não para”. Ela vai seguindo, adorável e cruel. Valeu pela fidelidade, Lola. Abaixo o texto que meu pai escreveu ao saber da morte de Lola👇🏿 “O descanso de Lola. Lola partiu, foi, não é mais. Ou melhor , ainda é, e sempre será. Será, sempre, memória de todos e de todas que foram acarinhados por ela e que a acarinharam. Pois não acarinhá-la era impossível tal era seu afeto, sua simpatia ,sua insistência pidona. Fosse de um afago, ou de um naco do que alguém estivesse comendo. Ao ouvir (via zap) Maria Júlia dizer, chorando, a Zilma: “Mãe, a Lola morreu" eu, pai de Maju, imediatamente me contaminei de tristeza. Tristeza, talvez, só menor do que se fosse algo mau com um neto, uma neta, um filho, filha, esposa, nora, genro, enfim , com qualquer pessoa especial, tantas que nem cabem aqui…. incluindo aquele amigo ou amiga especial,tão especial que não é só meu, mas da família… Pois Lola era parte da família. Uma parte não gente,mas que para gente pouco faltava. Não era gente,mas para Maria Júlia, Agostinho, demais familiares e amigos não havia no mundo outra cadela tão peluda, grandalhona e gentil…”

A post shared by majucoutinhoreal (@majucoutinhoreal) on

A jornalista do Jornal Nacional contou que Lola teve um infarto justamente na noite em que ela voltada do Chile, depois de uma cobertura especial sobre o eclipse total. “Valeu pela fidelidade, Lola”, postou ela e, em seguida, deixou um texto que seu pai escreveu pra cachorrinha. “Será, sempre, memória de todos e de todas que foram acarinhados por ela e que a acarinharam”.  Snif, snif.

Relembre alguns momentos de Maju com Lola:

View this post on Instagram

O grande encontro! 🐕🐕

A post shared by majucoutinhoreal (@majucoutinhoreal) on

View this post on Instagram

Cãonavalesca🎉🎊

A post shared by majucoutinhoreal (@majucoutinhoreal) on