Quem era Wagner Montes, apresentador que morreu aos 64

Wagner teve uma longa carreira na televisão e na política, chegando a ser um dos deputados mais votados do país.

Morreu neste sábado (26), o apresentador e deputado estadual pelo Rio de Janeiro Wagner Montes, aos 64 anos. Ele estava internado no Hospital Barra D’Or há dois meses para tratamento de uma infeção urinária. A causa da morte foi divulgada como choque séptico e sepse abdominal.

ARTISTA E COMUNICADOR

Nascido em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, Wagner se formou em Direito pela Universidade Gama Filho, mas seguiu a carreira na comunicação. Seu primeiro trabalho na área foi na Super Rádio Tupi, em 1974, como repórter policial da emissora. Cinco anos mais tarde, o então repórter se consagraria como apresentador do popular “Aqui Agora“, da TV Tupi.

Em 1981, Wagner teve seu talento como comunicador reconhecido por Silvio Santos, que o contratou para a TVS (que mais tarde passaria a se chamar SBT) e por lá ficou pelos próximos dezessete anos. Na emissora paulista, o apresentador trabalhou em diversos programas, entre eles “O Povo na TV”, “Jornal Policial” e “Clube dos Artistas”.

Em 2003, o apresentador foi para a Record TV, onde era apresentador do “Balanço Geral“, no Rio de Janeiro. Wagner também já foi cantor, com quatro discos gravados, e teve uma rápida carreira como ator, com participações em filmes como “A Morte Transparente” (1978) e “A Pantera Nua” (1979).

POLÍTICA

Em 2006, ele se afastou da sua carreira na televisão para disputar uma cadeira na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro pelo PDT. Conseguiu se eleger como o terceiro deputado estadual mais votado do estado. Se reelegeu em 2010 pelo mesmo partido, dessa vez foi o candidato com mais votos naquela eleição.

View this post on Instagram

Presidindo a sessão ordinaria da Alerj.

A post shared by Wagner Montes (@wagnermontes) on

Pelo PDT, Wagner foi eleito para mais um mandato nas eleições de 2010. Repetiu o feito em 2014, mas trocou de partido novamente, se reelegendo pelo PSD. Em 2016, se filiou ao PRB e no ano seguinte tornou-se presidente em exercício da ALERJ, após a prisão do deputado Jorge Picciani.

Wagner foi candidato a deputado federal pelo PRB nas eleições de 2018, tendo sido eleito com mais de 65 mil votos.

VIDA PESSOAL

Wagner teve um filho com a ex-namorada Catia Pedrosa, que também seguiu a carreira política do pai, além de ter herdado o mesmo nome. Se casou em 1987 com a também apresentadora Sônia Lima, com quem teve seu segundo filho, o ator Diego Montez.