Yanna Lavigne: “As coisas acontecem quando têm que acontecer”

Yanna Lavigne, a Fátima de Além do Horizonte, fala sobre os cuidados com o corpão que mostra na tela e lembra do tempo em que foi Miss Japão.

Yanna Lavigne
Foto: TV Globo/Divulgação

A mistura de uma baiana com um nissei (filho de japoneses) resultou em uma morena cor de jambo com cabelos longos levemente ondulados, corpão violão e olhinhos puxados. Os atributos exóticos de Yanna Lavigne foram ficando mais evidentes e ganhando destaque à medida que a menina crescia. Em 2006, quando os colegas da escola a incentivaram a participar de um concurso em Nagoya, ela foi escolhida a mais bela da colônia de Komaki, disputando com 50 participantes, e tornou-se miss no Japão. 
 
A família da atriz, que é natural de Osasco, São Paulo, se mudou para a Ásia, em 2004, quando a menina tinha 15 anos e ficaram por lá trabalhando durante quatro anos. Um olheiro brasileiro a viu na disputa e a levou para ser modelo na capital, Tóquio, onde Yanna morou sozinha dos 16 aos 19 anos. “Vivia em um apartamento de 18 metros quadrados. No banheiro, só cabia uma pessoa”, lembra. Mas a chance serviu apenas como uma oportunidade de juntar dinheiro para voltar ao Brasil e investir em seu verdadeiro sonho: ser atriz.
 
Ela se matriculou em diversos cursos para aprimorar o talento – entre eles, a faculdade de artes cênicas da UniverCidade, no Rio, e as oficinas de atores da Globo e da Record. Aliás, foi durante a incursão pela última emissora, em 2010, que ela conheceu o atual namorado, o ator carioca Bruno Gissoni, o André de Em Família. Mas a relação de amor não começou ali, já que primeiro os dois se tornaram grandes amigos. O estalo só aconteceu depois do Carnaval de 2013, quando ambos passaram a ser assessorados pelo mesmo escritório e o reencontro fez com que a amizade desse lugar à paixonite. “As coisas acontecem quando têm que acontecer. Depois do nosso reencontro, tudo foi muito rápido. O sentimento era intenso”, garante.
 
A escalada na vida profissional também aconteceu em etapas. Em 2012, fez uma pequena participação em Avenida Brasil e, no mesmo ano, emendou no papel de Tamar em Salve Jorge. Mas é agora, aos 24 anos, como a decidida Fátima de Além do Horizonte, que Yanna Lavigne se firma de vez. Sua personagem encantou os telespectadores mesmo nos tempos em que a trama de Marcos Bernstein e Carlos Gregório registrava baixa audiência. E a atriz segue em alta, agora arrancando risos com as peripécias que Fátima apronta com as irmãs Selma (Luciana Paes) e Rita (Mariana Xavier). Veja, a seguir, o bate-papo da atriz com a MINHA NOVELA.
Yanna Lavigne: "As coisas acontecem quando têm que acontecer"

Em uma tomada como Tamar de Salve Jorge, na qual contracenava com Tiago Abravanel
Foto: TV Globo/Divulgação

Você tem uma beleza exótica. Quais são as suas raízes?
Meu pai, Paulo, é engenheiro e filho de dois japoneses. Minha mãe, Lúcia, é terapeuta naturalista, nascida em Ilhéus, Bahia. Eu e a minha irmã, Adriana (psicóloga), somos o resultado dessa mistura.
 
Sua beleza sempre chamou atenção entre os colegas?
Não, pelo contrário (risos). Mas, durante a minha temporada no Japão, rendeu bons frutos. Morei em Komaki e em Tóquio, trabalhando como modelo.
 
Você conseguiu aprender a falar japonês?
Consegui! Foi uma experiência transformadora passar esse tempo por lá. Trouxe comigo, na “bagagem”, maturidade profissional e pessoal, além de um carinho muito grande pelos meus antepassados.
 
Como foi morar num apartamento de 18 metros quadrados?
Desafiador! Mas sou muito adaptável.
 
E que tal a repercussão da Fátima de Além do Horizonte?
A Fátima está traçando um caminho muito bonito e humano. As pessoas se reconhecem nela dessa forma e me transmitem carinho.
Recentemente, você apareceu de biquíni em uma cena na praia e foi muito elogiada. 
 
Como cuida do corpo?
Tenho a vida balanceada, o que é diferente de ser regrada. Meu cardápio é saudável e os exercícios complementam a prática do bem-estar e da mente.
 
Fátima não usa um pingo de maquiagem em cena. Fica à vontade ou se sente insegura?
Eu me sinto segura dentro da personagem, faz parte do universo dela ser natural. Acaba nem sendo um problema, porque na vida real sou assim também.
 
Você chamou atenção do público e da crítica. Já sonha em fazer uma protagonista?
Sonho em fazer tudo o que me satisfaz e motiva. Isso engloba emocionar quem me assiste, tocar na sensibilidade de quem me vê. E é esse um dos maiores ganhos de ser atriz, seja em que personagem for.
 
É verdade que a sua família vive na ponte aérea (risos)? Como administram a distância?
Pois é! Depois que ingressei na oficina de atores da Globo e fiz algumas participações especiais, resolvi deixar a capital paulista e fincar raízes no Rio. Eu e minha mãe fomos morar no Grajaú (zona norte carioca). Meu pai e irmã continuaram em São Paulo, mas a gente se vê sempre. Administramos tudo com muito amor.
 
Sua irmã é psicóloga. Já pediu ajuda a ela para a composição de algum personagem?
Ela está se graduando e fica um pouco insegura, mas é ela quem passa o texto comigo. Quando estiver mais segura, sem dúvida, irá me ajudar!
 
E Bruno Gissoni, seu namorado, a ajuda também?
Nosso relacionamento é uma grande troca, a gente se ajuda em tudo. Bruno tem um jeito único de me fazer apaixonar todo dia.
Yanna Lavigne: "As coisas acontecem quando têm que acontecer"

Na vida real , a morena vive em lua de mel com o intérprete de André de Em Família.
TV Globo/Divulgação