Com 200 anos de atraso, sapatilhas de balé marrons são lançadas no mercado

Finalmente bailarinas e bailarinos não-brancos poderão comprar sapatilhas que fogem do cor-de-rosa, combinando com os tons de suas peles.

Faz exatos 200 anos que as sapatilhas de ponta em cor-de-rosa, para dançarinos e dançarinas de balé clássico, foram lançadas. O que isso significa? Que durante todo esse tempo nenhuma marca havia pensado em vender modelos do sapato em “tons de pele” que fugissem do branco pálido ou rosado – mas isso acaba de mudar.

Graças à Freed Of London, marca inglesa especializada em sapatos para dança, que em outubro passado lançou duas novas cores de sapatilhas de balé, marrom e bronze, agora bailarinos e bailarinas não-brancos poderão comprar as peças em tons que se assemelham aos de suas peles.

View this post on Instagram

Image of our new Pointe Shoe colours, "Ballet Bronze" & "Ballet Brown" next to our original "Ballet Pink" satin😍 • Freed of London are committed to developing shoes to meet the needs of ALL dancers. • Thanks to Ballet Black for collaborating with us on this development and thanks to everyone who attended our Press Release event on Monday to promote the launch of these beautiful new colours!✨ • To place an order, contact: +44 (0) 207 240 0432 or email shop@freed.co.uk. • Featured dancers (L-R): #SayakaIchikawa in #BalletPink, #MarieAstridMence in #BalletBronze & #CiraRobinson in #BalletBrown❤ • Image by: @dancers_eye 📸 • #freedoflondon #london #ballet #ballerina #dance #dancing #dancer #pointe #pointeshoes #history #historyinthemaking #diversity #freed #britishballet #history #dance #balletblack #collaboration #new

A post shared by Freed of London (@freedoflondon) on

Feita em parceria com o Ballet Black, companhia profissional de dança também inglesa criada para que bailarinos e bailarinas de ascendência negra e asiática tenham maior espaço no mundo da dança, a coleção de sapatilhas feitas a mão demorou um ano para ser finalizada, e visa atender às necessidades de TODOS os tipos de dançarinos (as), sem exceção.

View this post on Instagram

After over a year in development, Freed of London are proud to introduce, two new colours to our Pointe Shoe collection… 'Ballet Bronze' & 'Ballet Brown' 😍 • Our ethos has always been to develop shoes to meet the needs of each generation of dancer and these new colours continue to reflect this✨ • This wouldn't of been achievable without the help of everyone involved, especially "Ballet Black" whom we collaborated with to create these beautiful new colours. • Cassa Pancho MBE (Founder & Artistic Director of Ballet Black) had this to say: "I am beyond delighted that Freed have launched these two new colours. Although it may seem like a very small change to the outside world, I believe this is an historic moment in British Ballet history and another step forward for culturally diverse dancers across the globe who wear the iconic Freed brand of shoe. I would like to thank Freed for using their platform to help instigate change, and Cira Robinson, Senior Artist at Ballet Black, for her unending dedication to making this possible". • The new colours are available to buy as an express Special Order from the Freed of London store as of today!😁 • Featured dancers (L-R): #CiraRobinson in #BalletBrown #SayakaIchikawa in #BalletPink & #MarieAstridMence in #BalletBronze ❤️ • Image by: @dancers_eye 📸 • #freedoflondon #london #ballet #ballerina #dance #dancing #dancer #pointe #pointeshoes #history #historyinthemaking #diversity #freed #britishballet #history #dance #balletblack #collaboration

A post shared by Freed of London (@freedoflondon) on

Cira Robinson, bailarina-sênior do Ballet Black que estrela a campanha da Freed Of London contou, em entrevista ao The New York Times, que desde os 15 anos pintava suas sapatilhas para que elas atingissem um tom mais similar ao de sua pele, já que naquela época (e até pouco tempo atrás) não encontrava os sapatos de sua cor em lojas específicas. O ritual, desconhecido por muita gente, é bem comum entre bailarinas e bailarinos negros do mundo todo.

Em um primeiro momento ela diz que pintava as sapatilhas usando tinta em spray, mas logo percebeu que o material as deixava com aspecto craquelado, em relevo. Então, passou a usar maquiagem, mais especificamente bases faciais baratinhas, para fazer o processo. Cinco tubos de base por semana eram necessários para que Cira tingisse de 12 a 15 pares de sapatilhas, processo trabalhoso que demorava entre 45 minutos e uma hora.

Além da Freed Of London, a marca norte-americana Gaynor Minden também desenvolveu, há cerca de um ano, sapatilhas de ponta em tons pensados para bailarinos e bailarinas não-brancos, mas foi a Freed a grande responsável por acender o debate não só sobre o “ritual” de tingimento das sapatilha, mas também sobre a falta de diversidade de negros e negras no universo do balé – especialmente de dançarinas negras mulheres, que continuam sendo raridade.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s