Marcas socialmente responsáveis que trabalham com denim

Apesar da sustentabilidade na moda não ser um assunto novo, marcas que trabalham sob esses valores ainda são relativamente novas

No sábado, dia 22 de abril, foi o Dia internacional da Terra. A data, que foi criada nos anos 70, serve mais como um aviso, do que como uma celebração, já que pede por ações que transformem o planeta em um lugar mais saudável. Além do Dia da Terra, no dia 24 de abril começou mais um Fashion Revolution Week, uma iniciativa global que nasceu após o incidente de 2013 em Bangladesh (quando o edifício Rana Plaza, onde milhares de pessoas trabalhavam em fábricas de roupas, desabou), em tentativa de aumentar a conscientização sobre o impacto social e ambiental da indústria da moda.

Apesar da sustentabilidade na moda não ser um assunto novo, marcas que trabalham sob esses valores ainda são relativamente novas. Destacamos aqui algumas das marcas socialmente responsáveis que trabalham com Denim, um material conhecido por para você ficar de olho.

Reformation 
A marca de Los Angeles que nasceu em 2009 já é super popular entre as meninas mais cool dos EUA. Com o slogan “Nós fazemos roupas de matar, sem matar o meio ambiente” (tradução livre) significa que suas peças trendy são feitas de materiais sustentáveis e/ou inutilizados. A marca ficou mais conhecida por seus vestidos envelope que remetem a robes, mas mais recentemente ela lançou sua linha de jeans, chamada #refjeans, com apenas sete peças diferentes feitas com denim sustentável e técnicas de lavagem ecológicas, que poupam água.

 (/)

YesIAm 
A YesIAm é uma marca brasileira, também focada em denim, que promove a sustentabilidade a partir da ideia de que não precisamos de tantas peças de roupa. A marca trabalha com poucos modelos de shapes e cores atemporais, com lavagens que necessitem menos de processos químicos, prometendo qualidade duradoura e produtos feitos no Brasil.

 (/)

I and Me 
Lançada no ano passado pela ex-compradora da Topshop, Jessica Gebhart, a I am Me procura trazer uma abordagem mais lenta ao processo de compra de roupas, focando em fazer uma coisa muito bem, ao invés de diversas coisas de qualquer maneira. Suas coleções possuem 10 peças ou menos, todas com design genderless e atemporais, na tentativa de criar peças que possam durar uma vida inteira.

 (/)

Luna del Pinal 
Depois de se formar no Instituto Marangoni e na Royal College of Arts, além de trabalhar com nomes como Gareth Pugh, Christopher Kane e JW Anderson, as designers Gabriela Luna e Corina del Pinal criaram um nicho de mercado com suas jaquetas costuradas a mão. As peças são criadas com artistas locais da Guatemala, país de origem de Corina, procurando dar mais suporte para artistas indígenas do país, e toda a marca gira em torno do conceito de slow fashion.

 (/)

Muambê 
Apesar de não ser uma marca própria e nem trabalhar apenas com o denim, o brechó paulistano Muambê também trabalha apenas com produtos sustentáveis. De acordo com a Luiza Guedes, dona do brechó, “o produto mais sustentável é aquele que já existe”, e por isso promovem a venda do produto vintage como uma forma de suavizar impactos já causados pela indústria da moda. Além de peças originais, o brechó também reforma peças antigas para que se enquadrem melhor nos padrões de moda atuais, e transformam materiais inutilizados e descartados em novas peças.

 (/)