Modelos fora do padrão tornam comercial da Diesel quase perfeito

Campanha da Diesel traz body positive ao som de Edith Piaf

Definitivamente, o grande tabu da moda é a gordura. Até quando os comerciais investem na diversidade, eles esquecem os gordos. Sim, gordo na moda importa! Nesta temporada de desfiles internacionais, grandes marcas como Gucci, Louis Vuitton, Balenciaga conquistaram 2 números a mais no manequim das modelos, do mínimo 32 para o mínimo 34. Ainda é pouco! Parece mais um paliativo contra processos judiciais do que real preocupação com diversidade ou saúde das modelos. Por que a moda odeia os gordos?

Michael Kors certa vez disse: “A única razão para não colocar modelos plus size no meu desfile é que eu precisaria de uma estádio de futebol cheio de roupas antes de estar apto a mostrá-las na passarela”. Quer dizer, o estilista achava mais fácil seguir o padrão do que criar diversas roupas para mulheres de diferentes tamanhos. Uma temporada depois, o estilista se retratou e convidou Ashley Graham para o seu casting. A modelo agradeceu em sua conta no Instagram: ” Michael, obrigada pela oportunidade e por mostrar que a beleza vem de diferentes formas”.

Voltando ao comercial da Diesel, é muito bom ver pessoas aceitando suas diferenças e inspirando Millennials. É muito duro ver pessoas lindas tentando alcançar uma padrão de beleza que exclui a maioria. “Orelhas de abano”, ” monocelhas” e estrias e aparelhos nos dentes são motivo de orgulho nesse comercial da Diesel.  As marcas estão na crista da onda do empoderamento. Sinal de mudança, sinal que os novos consumidores estão ditando as regras. O luxo não é mais o mesmo. Beleza? Cada um tem a sua.