6 vilões do verão

Como se proteger dos males de saúde que mais atingem as pessoas no período de calor

Com alguns cuidados básicos de saúde 
você curte o seu verão sem inconvenientes
Foto: Dreamstime

1 – Eles pegam no pé (micose)
A frieira, aquela rachadura entre os dedos dos pés que arde e coça, é um dos tipos mais comuns de micose. Calor, excesso de umidade e baixa resistência imunológica são as condições perfeitas para que as lesões apareçam. Para completar, o bicho geográfico e o olho-de-peixe são transmitidos nas areias quentes e contaminadas e também no piso da piscina ou dos vestiários 

S.O.S
É necessário consultar um médico para que ele receite um antifúngico. O olho-de-peixe precisa ser cauterizado pelo dermatologista. 

Proibido
Coçar a região faz os micróbios penetrarem nas unhas e pode espalhar a doença. 

Para evitar
Use meias de algodão; enxugue bem o corpo, virilha e axilas, e não ande descalça em banheiros públicos e vestiários ou mesmo na areia da praia.

2 – Ferida incômoda (herpes)
Quem tem herpes convive com o vírus o ano todo, mas sofre mais com as crises no verão. “O sol é um facilitador para as feridas nos lábios, pois baixa a resistência do organismo”, explica a cirurgiã-dentista Mariângela Dias Valverde, de São Paulo. 

S.O.S
Jamais coce a lesão para que o vírus não se espalhe. Use a pomada específica para herpes (receitada por médico). 

Proibido
Beijo na boca ou sexo oral devem ser evitados enquanto há feridas, para não transmitir o vírus. 

Para evitar
Tome sol com moderação, mantenha os lábios bem hidratado, consuma alimentos ricos em vitamina C. 

3 – Inimiga íntima (corrimento)
Corrimento esbranquiçado, ardor e muita coceira são sintomas da candidíase, que surge por contato sexual com parceiro contaminado e por maus hábitos de higiene. 

S.O.S
Os médicos receitam pomadas para a mulher, e para o parceiro o remédio é via oral. 

Proibido
Não faça lavagem interna para tentar conter o corrimento. Os fungos podem se alastrar. 

Para evitar
Na praia, não fique com o biquíni molhado por longos períodos. Use apenas peças íntimas de algodão e abandone as roupas apertadas. 

4 – Perigo no prato (intoxicação alimentar)
A Fundação Nacional de Saúde (Funasa) estima que 50% das doenças relacionadas à alimentação ocorrem pela manipulação errada dos alimentos. Portanto, atenção! 

S.O.S
A visita ao médico é indispensável, pois pode ser necessário tomar um antibiótico. Além disso, beba muita água e água-de-coco para evitar a desidratação. 

Proibido
Jamais tome remédios para cortar a diarréia e o vômito, pois a comida que fez mal precisa ser eliminada. A receita de tomar Coca-Cola para tratar a diarréia não funciona. Pelo contrário, o refrigerante contém açúcar que desidrata as células. 

Para evitar
A Secretaria Municipal de Abastecimento de São Paulo (Semab) ensina a evitar a intoxicação.
· Cozinhe bem os alimentos. Conserve o que restar em temperatura abaixo de 10oC.
· Nunca guarde alimentos crus e cozidos no mesmo recipiente. Isso facilita a contaminação cruzada de bactérias, a mais perigosa.
· Descongele os alimentos na geladeira.
· Lembre-se de que comida contaminada nem sempre tem mau cheiro. 

5 – Marcas que ficam (manchas na pele) 
Sol e caipirinha é uma dupla deliciosa, mas que pode deixar marcas. Limão, abacaxi e outras frutas cítricas são substâncias fotossensibilizantes. Quando tocam na pele que é exposta ao sol o resultado são as manchas castanhas que duram meses até clarear. 

S.O.S
A solução é usar cremes à base de ácidos que devem ser formulados por um dermatologista ou fazer um peeling em consultório. 

Proibido
Aplicar substâncias caseiras, como máscara de frutas, para tentar melhorar. 

Para evitar
Lavar bem as mãos após preparar a caipirinha ou suco de frutas, e ingerir as bebidas por canudinhos se estiver tomando sol. 

6 – Castigo na pele (queimadura solar) 
Passar horas e horas exposta ao sol sem usar um protetor solar alto (FPS, no mínimo 15) é um perigo devido ao câncer, ao envelhecimento e à queimadura. 

S.O.S
“Faça compressas de soro fisiológico gelado”, diz Luciane Scattone, dermatologista. 

Proibido
Jamais faça compressas com álcool. A substância desidrata a pele. 

Para evitar
O protetor deve ser aplicado meia hora antes de tomar sol. Para as pessoas de pele clara o FPS deve ser 30. Reaplique de hora em hora.