Automedicação é um perigo

Se você costuma tomar remédio por conta própria quando está doente, tenha cuidado. Esse hábito, praticado por 8 em cada 10 brasileiros, pode causar doenças graves

Siga o mdemulher no Instagram

Foto: Dreamstime

Analgésico

Usado para aliviar dores leves e moderadas. Há vários princípios ativos nas substâncias dos analgésicos, cada um com uma reação adversa: 

Paracetamol (Tylenol, Naldecon)
 
· Complicação: a superdosagem expõe o fígado a danos irreversíveis, como a hepatite. 

Dipirona (Novalgina, Neosaldina) 
· Complicação: causa queda de pressão arterial e problemas do sangue.

Ácido acetilsalicílico (Aspirina, Melhoral) 
· Complicação: esse é um veneno para quem tem úlcera. Pode provocar um ataque em quem sofre
de asma e agrava doenças dos rins e do fígado. 

Antitérmico

A febre surge quando há no corpo alguma infecção, inflamação ou lesão. Esses problemas causam no organismo uma confusão no mecanismo de controle de temperatura. Os antitérmicos evitam que isso aconteça.

· Complicação: doses exageradas podem baixar, por algum tempo, o número de células de defesa
no organismo.

Antiinflamatório
Quando o corpo sofre uma lesão ou é atingido por doenças inflamatórias, a região afetada recebe doses elevadas de uma substância que inflama e incha os tecidos. Isso provoca dor e febre. Os antiinflamatórios barram esse processo. 

· Complicação: em excesso, os remédios desse tipo causam problemas cardiovasculares, inchaço nas pernas e hipertensão. Eles também aumentam o risco de úlceras e gastrite.

Antibiótico 

Se o nosso organismo está com infecções causadas por bactérias, os antibióticos entram em ação para evitar que elas se multipliquem. 

· Complicação: o uso em excesso pode aumentar a resistência das bactérias contra o medicamento. Isso diminui bastante a eficácia dos tratamentos com esse tipo de remédio.