Câncer de mama: é importante fazer o autoexame?

Questão do autoexame ainda divide opiniões dos médicos

Exame de toque pode ser um reforço na prevenção ao câncer de mama
Foto: Reprodução/MÁXIMA


Mesmo dividindo opiniões, para o ginecologista Waldyr Muniz, a prática do autoexame das mamas é importante, sim. Porém, de forma isolada, não é eficiente para a detecção precoce do tumor e não substitui o exame feito por profissionais.

“Em toda a minha experiência, a maioria dos cânceres diagnosticados foram percebidos pelas próprias pacientes. É melhor o médico tranquilizar a pessoa, no caso de a alteração encontrada não ser um tumor, do que o problema ser tratado com displicência”, pensa o expert.

Sintomas
Se você sentir alguma alteração nas mamas deve realizar a radiografia independentemente da sua idade. Os sintomas mais comuns são: dor ou rigidez; aparecimento de caroço ou área endurecida, inclusive nas axilas; mudança de tamanho ou formato dos seios; alteração da pele, como vermelhidão, inchaço ou feridas, nas mamas ou mamilos; secreção no mamilo, principalmente sangue e água; e retração do bico da mama.

Para quem já tem histórico da doença na família, a atenção também deve ser redobrada. Embora a hereditariedade seja responsável por apenas 10% do total de casos, mulheres com mães que tiveram o câncer antes da menopausa devem intensificar a avaliação preventiva dez anos antes da idade em que o mal foi descoberto na mãe. Para pacientes de risco, o SUS antecipa os exames.

☆ Pedras, cristais e rituais de proteção: saiba como usar ☆