DSTs: como se proteger delas

Saiba sobre sintomas, tratamentos e prevenção das principais DSTs - Aids, candidíase, herpes, HPV, sífilis, clamídia e mais

Camisinha é essencial para se 
proteger das DSTs
Foto: Getty Images

Aids

Outras formas de contágio – Contato com sangue contaminado por meio de agulha ou transfusão e transmissão de mãe para filho na gravidez ou amamentação.

Sintomas – No início, gripe, emagrecimento, febre e diarréia. Depois, doenças oportunistas ligadas à baixa imunidade, como tuberculose.

Tratamento – Não tem cura, mas o coquetel anti-retroviral inibe a reprodução do HIV.

Prevenção – Fazer sexo com camisinha e não compartilhar o uso de seringas.

Candidíase

Outras formas de contágio – O fungo está presente na maioria das pessoas e a doença pode ser causada pela queda de resistência do organismo.

Sintomas – Corrimento semelhante à nata de leite, coceira intensa na região genital e também dor durante o sexo.

Tratamento – Antifúngicos via oral e/ou cremes vaginais.

Prevenção – Fazer sexo com camisinha e evitar roupas sintéticas e justas, como lycra.

Herpes

Outras formas de contágio – Contato da ferida que surge, principalmente na vagina ou pênis, com alguma lesão da pele. No parto, pode haver transmissão para o bebê.

Sintomas – Bolhas que podem provocar ardência e coceira. Costumam retornar sempre na mesma área.

Tratamento – Como não tem cura, antivirais dimuem o período de duração dos sintomas.

Prevenção – Fazer sexo com camisinha e evitar tocar diretamente nas feridas.

HPV (papiloma vírus humano)

Outras formas de contágio – O vírus é transmitido pelo contato direto com pele contaminada, mesmo sem lesões visíveis. No parto, o bebê pode ser infectado.

Sintomas – Verrugas nas genitais. Podem surgir lesões nos olhos e boca. A doença tem relação com câncer de cólo do útero.

Tratamento – Além de remédios (via oral), cirurgias e aplicação de laser para eliminar lesões.

Prevenção – Fazer sexo com camisinha. Há vacina, indicada para o início da vida sexual*.

Sífilis

Outras formas de contágio – Transfusão de sangue, seringas compartilhadas e grávidas infectadas que, durante a gestação, podem contaminar os filhos.

Sintomas – Ferida genital e caroço na virilha. Pode provocar manchas vermelhas pelo corpo, queda de cabelo e até cegueira.

Tratamento – Injeção de penicilina. Tem cura, porém, se não tratada, pode levar à morte.

Prevenção – Fazer sexo com camisinha; grávidas devem fazer pré-natal periódico.

Tricomoníase

Outras formas de contágio – Somente por transmissão sexual.

Sintomas – Corrimento amarelo-esverdeado, mau cheiro, dor durante o sexo, ardor, dificuldade para urinar e coceira nos órgãos sexuais.

Tratamento – Os parceiros devem ser tratados com antibióticos.

Prevenção – Fazer sexo com camisinha.

Uretrites (clamídia e gonorréia)

Outras formas de contágio – A transmissão pode ocorrer no parto. O bebê pode ficar cego se for contaminado.

Sintomas – Clamídia: corrimento parecido com clara de ovo. Gonorréia: ardência ao urinar e corrimento amarelo-esverdeado.

Tratamento – São indicados antibióticos para o tratamento de ambas as doenças.

Prevenção – Fazer sexo com camisinha. É preciso avaliar cor, aparência e cheiro da vagina.

Consultoria: Ricardo Shiratsu, coordenador do ambulatório de doenças sexualmente transmissíveis da Universidade Federal de São Paulo e assessor do departamento de DST da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

* Não é oferecida no Sistema Único de Saúde, apenas em clínicas particulares.