Em breve, não precisaremos mais de agulha para tomar vacina

Ciência está trabalhando duro para a gente nunca mais sofrer na mão de agulhas - e parecer estar chegando a resultados satisfatórios!

Cacete de agulha” nunca mais: a ciência está trabalhando duro para que a gente não passe mais por esse verdadeiro desespero na hora de tomar vacina.

Alternativas novas estão sendo criadas, enquanto outras, já existentes há tempos, estão sendo aprimoradas. A National Public Radio norte-americana, a NPR, fez um compilado com as iniciativas mais interessantes dos pesquisadores nesse sentido.

Ao que parece, é bem provável que, em um futuro próximo, você não precise ser “furada” para conseguir se prevenir de doenças – mas, pelo menos por enquanto, isso não quer dizer que não vá doer, viu…

Tipo ficção científica

Uma das alternativas às agulhas é uma tecnologia que já havia sido retratada na série de TV “Star Trek“: uma vacina em forma de spray para espirrarmos na pele.

 (Reprodução/Giphy)

Parece inofensivo, né? No entanto, quem já experimentou a versão já existente do artefato, que era usada nos anos 1960, não saberia dizer qual das duas possibilidades é pior. Acredita?

Leia mais: As 24 perguntas que ginecologistas mais escutam

“O meu vizinho de  85 anos ainda se lembra do quanto doeu esta vacina”, conta o Ron Lowry, presidente da PharmaJet, uma empresa que produzia este tipo de vacina na época, em entrevista à NPR.

Para penetrar na pele dos pacientes, a pressão do jato de vacina era tão, mas tão forte que alguns diziam se parecer com um soco a dor sentida depois – só porque, na hora H, era tudo tão rápido que não dava para doer.

Leia mais: Adeus, agulha: cientistas criam bafômetro que diagnostica doenças

Atualmente, porém o “spray de vacina” está sendo aprimorado. A Portal Instruments, por exemplo, é uma empresa norte-americana que está trabalhando junto ao Massachusetts Institute of Technology (MIT) para aprimorar esta tecnologia.

E se multiplicarmos as agulhas?

Aumentar o número de agulhas para tomarmos vacina pode soar como uma péssima ideia para quem tem medo delas – mas é justamente essa a aposta do Laboratory for Drug Delivery, do Instituto de Tecnologia da Geórgia, nos Estados Unidos.

Leia mais: Qual a importância de levar a sério o horário do anticoncepcional

E, olha, quem sabe não seja uma iniciativa tão terrível assim: a verdade é que, quando você aumenta o número de agulhas, a pressão sobre sua pele feita por cada uma delas (e, consequentemente, a dor que você sente) é muito, mas muito menor.

 (Instituto de Tecnologia da Gerógia e NPR/Reprodução)

De acordo com os estudos da instituição, a eficácia deste tipo de vacina é semelhante à das agulhas tradicionais. Quem sabe esse será nosso futuro!

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s