Leitoras das revistas femininas da Abril vão receber cartilha sobre câncer de mama

Cartilha com orientações sobre prevenção e fatores de risco do câncer de mama foi criada pelo Instituto Viver Bem, com o apoio da Editora Abril

Siga o mdemulher no Instagram

Câncer de mama é o mais comum entre as mulheres e o segundo mais frequente no mundo
Foto: Divulgação

No mês de julho, as leitoras vão receber, junto com as revistas femininas da Editora Abril, a cartilha “Câncer de Mama – A Prevenção Está em Suas Mãos”, com conteúdo explicativo sobre a prevenção do câncer de mama. O encarte aborda a importância dos exames preventivos, do cuidado com alimentação, da prática de atividade física e controle do peso e das práticas saudáveis que podem neutralizar alguns dos fatores de risco para a doença.

A produção do conteúdo teve orientação da diretora de redação da revista Saúde, Lúcia Helena de Oliveira, e a colaboração do nutricionista Fábio Gomes, do Instituto Nacional de Câncer (Inca), do fisiologista Paulo Zogaib, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), do mastologista Luiz Henrique Gebrim, da Unifesp, e da ginecologista Mônica Leite Grinbaum, da Santa Casa da Misericórdia de São Paulo.

Com o apoio da Editora Abril, os recursos dos patrocinadores poderão ser totalmente revertidos para a Casa da Mulher, um centro de prevenção e apoio para mulheres com câncer de mama e seus familiares, criado pelo Instituto Arte de Viver Bem. “Graças aos ideais do Dr. Roberto Civita, um apaixonado por educação, a Editora Abril, mais uma vez, coloca um encarte educando a população sobre como prevenir uma doença que mata milhares de mulheres, muitas vezes por desinformação”, diz Valéria Baraccat Gyy, fundadora do Instituto.

As revistas que recebem a cartilha são Boa Forma, Bons Fluidos, Claudia, Contigo, Elle, Estilo, Gloss, Manequim, Máxima, Nova, Saúde, Vida Simples, Women’s Health, Ana Maria, Sou + Eu e Viva Mais.
O Instituto Arte de Viver Bem foi idealizado por Valéria em 2009. Após uma luta de cinco anos contra o câncer de mama, ela resolveu transformar seu drama pessoal em ensinamento e tomou como missão do Instituto a diminuição da taxa de óbito por câncer de mama no Brasil.

Esse tipo de câncer é o mais comum entre as mulheres e o segundo mais frequente do mundo, de acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca). No Brasil, só em 2012, foram registrados mais de 52 mil novos casos da doença. Apesar de ser considerado um câncer com bom prognóstico se diagnosticado e tratado precocemente, as taxas de mortalidade são elevadas, provavelmente porque a doença ainda é diagnosticada em estágios avançados. Enquanto em países desenvolvidos a média de sobrevida após cinco anos é de 85%, no Brasil não passa de 60%.