Mayaro, um vírus da Amazônia, pode estar circulando no Rio de Janeiro

O vírus transmitido por um mosquito é conhecido como primo da chikungunya e tem sintomas muito parecidos.

Na semana passada, pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) afirmaram que o vírus mayaro foi encontrado no estado. O ponto é que o mayaro, transmitido pelo mosquito florestal Haemogogos, estava localizado apenas nas áreas silvestres amazônicas. Até que três moradores de Niterói foram diagnosticados com a doença, sendo que nenhum havia viajado.

O vírus é conhecido como primo da chikungunya, provocando reações bem parecidas – febre alta, dores de cabeça, musculares e nas articulações que se prolongam por meses. O tratamento também é similar: repouso e cuidados sintomáticos (analgésicos, antitérmicos e anti-inflamatórios).

Essas semelhanças intrigam os cientistas em relação ao diagnóstico, já que 20% dos casos com suspeita de chikungunya relatados esse ano no estado não tiveram confirmação, o que leva a crer que poderia tratar-se de mayaro.

A hipótese levantada pelos cientistas é de que o vírus esteja se adaptando ao ambiente urbano. E isso fica ainda mais preocupante pois eles acreditam que a adaptação ainda possa permitir que o vírus seja transmitido pelo Aedes aegyptiquanto e pelo pernilongo Culex.

O Ministério da Saúde diz que desconhece os casos.