Mitos e verdades sobre reposição hormonal

Conheça todos os mitos e verdades sobre a reposição hormonal que ajuda a tratar os sintomas da menopausa

Siga o mdemulher no Instagram

Repor os hormônios deixa você equilibrada e feliz
Foto: Dreamstime

A reposição hormonal é o principal tratamento dos sintomas da menopausa, mas ainda gera diversas dúvidas. Confira então os principais mitos e verdades relacionados ao assunto.

O tratamento melhora os sintomas da menopausa.

VERDADE
A reposição só é indicada para as pacientes por volta dos 50 anos, quando o ovário deixa de funcionar como antes. Com o tratamento, os sintomas da menopausa diminuem muito e isso melhora a qualidade de vida da paciente.

As chances de ter câncer de mama aumentam.

MITO
“Durante os primeiros cinco anos de tratamento não há aumento nas chances de ter a doença”, afirma o professor da Faculdade de Medicina do ABC, César Eduardo Fernandes. Estudos afirmam que o número de casos de câncer de mama aumenta um pouco nas mulheres que estão fazendo a reposição há mais de cinco anos. Mas não se assuste: essas estatísticas ainda não podem confirmar a ligação do tratamento prolongado para a menopausa com o surgimento do câncer.

A reposição melhora a pele.

VERDADE
Os hormônios contribuem para uma pele mais bonita, pois melhoram a hidratação. E esse não é o único benefício: também previnem a osteoporose e aumentam a lubrificação vaginal, que fica menor por volta dos 50 anos. O tratamento melhora até a vida sexual.

É preciso tratar pelo resto da vida.

MITO
Os remédios são indicados quando os sintomas aparecem (ondas de calor, comumente chamadas de fogachos, menstruações irregulares, irritabilidade). Em geral, é preciso tomar nos cinco anos seguintes à menopausa e, depois disso, parar. Mas o melhor é verificar com seu médico o tempo ideal de tratamento para você.

Custa caro.

MITO
Os medicamentos são oferecidos pelo SUS (Sistema Único de Saúde) de graça. Há também tratamentos pagos, mas eles custam entre R$ 20* e R$ 70*.

Para repor os hormônios, você pode escolher entre comprimidos, adesivos e até gel para passar na pele. O tempo e a frequência do tratamento variam.

*Preços pesquisados em agosto/2011